conecte-se conosco

Economia

Saque automático do FGTS, em demissão sem justa causa, pode acabar

Publicado

carteira de trabalho arrow-options
MARCELLO CASAL JR./AGÊNCIA BRASIL

Proposta do governo envolve aumentar a rentabilidade do FGTS

O governo avalia acabar com saque automático do FGTS nas demissões sem justa causa, segundo fontes a par das discussões. A ideia é permitir o saque controlado, uma vez por ano, na data de aniversário dos cotistas. Em contrapartida, o governo estuda melhorar a rentabilidade do Fundo , que hoje é de 3% ao ano, mais a Taxa Referencial (TR) que está zerada.

Outra ideia é dar uma nova destinação à multa de 40% paga pelos empregadores nas demissões sem justa causa. Os recursos, que hoje vão para o FGTS ,  poderiam ser transferidos para um fundo público com objetivo de ajudar a formar uma poupança, que poderia ser utilizada na aposentadoria.

Leia mais: Bolsonaro confirma liberação de recursos para contas ativas do FGTS

As duas medidas, ao lado da liberação dos recursos das contas ativas do FGTS, fazem parte de um pacote de ações que o governo classifica como estruturantes. Para implementá-las será preciso alterar a Lei 8.036/1990 que trata do FGTS. 

Leia mais:  Policiais federais rejeitam acordo na reforma da Previdência

A ideia era anunciá-las nesta quinta-feira (18), mas há dúvidas se o pacote estará pronto para ser divulgado. “Será um pacote mais estruturante e não a simples liberação do dinheiro”, disse uma fonte a par do assunto.

Veja também: FGTS e PIS-Pasep podem levar R$ 63 bilhões para a economia, diz Paulo Guedes

Chamado Plano Estratégico do FGTS, as medidas começaram a ser discutidas pela equipe econômica no fim do ano. A autorização do saque das contas ativas e inativas virou uma medida emergencial para estimular a economia neste ano, uma ofensiva pós-aprovação da reforma da Previdência, que tem efeitos positivos no longo prazo.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
publicidade

Economia

Críticas de Bolsonaro fazem vendas de livro de economista “do PSOL” dispararem

Publicado

source
livro e mulher de fundo arrow-options
Maria Erlich Fotografia / Facebook de Laura Carvalho

Para criticar ministro da Economia argentino, Bolsonaro publicou foto de livro nas redes sociais

Ao tentar criticar o novo ministro da Argentina para seus seguidores no Facebook, o presidente Jair Bolsonaro acabou fazendo propaganda de um livro de economia considerado por ele como “esquerdista” na noite da sexta-feira (6).

“Ministro da Economia da Argentina, Martin Guzmán, recomenda o livro da Laura Carvalho, economista do PSOL na última campanha”, afirmou Bolsonaro, postando uma foto da capa do livro “Valsa Brasileira: do boom ao caos econômico”.

Leia também: Que amigo é esse? Veja as “rasteiras” que Trump já deu em Bolsonaro

Nos comentários, alguns apoiadores pediam que o presidente indicasse obras como as do filósofo Olavo de Carvalho ou parasse de “picuinhas”, mas outras pessoas elogiaram o trabalho da docente da USP e a propaganda feita pelo presidente. “Valeu pela dica, comprando aqui”, afirmou um internauta.

Após a publicação de Bolsonaro, a própria Laura Carvalho utilizou as redes sociais para mostrar incredulidade diante da propaganda gratuita feita pelo presidente. “Esse momento é meu”, brincou a professora da USP. Poucas horas depois, o livro disparou no número de vendas online e se tornou a 51ª publicação mais vendida na Amazon.

Leia mais:  Gás de cozinha tem reajuste de até 5,3% a partir desta terça-feira, diz Sindigás

O Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) utilizou as redes sociais para fazer brincadeira com o deslize de Bolsonaro. “”Tem horas que só rindo. Sobrou até para Laura Carvalho, que virou ‘economista do PSOL’. Temos orgulho de ter contado com suas contribuições na formulação do programa que apresentamos ao paós nas eleições de 2018”, afirmou o partido. 

Veja publicação do presidente:


Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Preço do etanol bate recorde nas usinas de SP

Publicado

source
posto de combustível arrow-options
Agência Petrobras

Preços do etanol estão em alta e devem subir ainda mais quando chegar o período de entressafra

Pela primeira vez na história, os preços do etanol hidratado nas usinas de São Paulo superaram a marca dos R$ 2 por litro, informa o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). Os preços do combustível subiram 2,48% nesta semana no principal estado produtor do país.

LEIA MAIS:  Preços dos combustíveis têm nova alta nos postos

Ainda conforme o Cepea estão sendo registradas valorizações semanais no preço do etanol nas usinas de São Paulo desde meados de setembro. Além disso, a cana-de-açúcar caminha para a entressafra e o consumo do combustível vegetal se mantém alto, o que deverá levar a novas altas no preço.

A Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis ( ANP ) diz que o consumo de etanol hidratado registra alta em torno de 20% em 2019 no Brasil em relação ano passado, o que tem levado as usinas a aumentar a produção, atingindo volumes recordes.

Leia mais:  Contribuição de jovens para a Previdência foi a que mais caiu nos últimos anos

Tendência de alta no preço do etanol

posto de combustível arrow-options
shutterstock

Preços dos combustíveis em geral no Brasil continuam el alta, o que influencia no custo de vida no País

Mesmo assim, desde a semana de 9 a 13 de setembro até agora, o preço do etanol nas usinas de São Paulo subiu 18,6%, atingindo R$ 2,0097 por litro, em médio, ainda segundo o Cepea, que mede os valores do combustível desde 2002.

LEIA MAIS: Preços médios dos combustíveis voltam a subir

Conforme a ANP, nos postos de combustíveis do Brasil, em média, os preços do etanol hidratado subiram 1,8% nesta semana, chegando nos R$ 3,06 por litro, ante R$ 4,489 da gasolina e R$ 3,718 do diesel.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Política Nacional

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana