conecte-se conosco

Economia

“Privatização dos Correios ganha força em nosso governo”, anuncia Bolsonaro

Publicado


jair bolsonaro
Marcos Corrêa/PR

“Serviços melhores e mais baratos só podem existir com menos Estado e mais concorrência”, escreveu Bolsonaro no Twitter

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) sinalizou nesta sexta-feira (7) que a privatização dos Correios, prometida ainda durante as eleições, tem ganhado força em seu governo. Em mensagem publicada no Twitter, o presidente defendeu que a oferta de serviços melhores só é possível com menor intervenção do Estado e mais concorrência.

Leia também: Na mira do governo, privatização dos Correios não garante fim da corrupção

“Serviços melhores e mais baratos só podem existir com menos Estado e mais concorrência, via iniciativa privada. Entre as estatais, a privatização dos Correios ganha força em nosso governo”, escreveu Bolsonaro.

Até então, a ideia se mostrava controversa. No início do ano, o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) disse não ser favorável à venda da estatal “por enquanto”. Mais recentemente, o próprio presidente dos Correios, Juarez Cunha, reforçou sua posição contrária à privatização , argumentando que a estatal não depende integralmente de recursos da União.

Leia mais:  Governo federal vai revisar patrocínios culturais da Petrobras, diz Bolsonaro

Até o ministro da Ciência e Tecnologia, pasta à que os Correios estão subordinados, resiste à iniciativa. No fim de abril, em entrevista ao jornal  O Estado de S. Paulo , Marcos Pontes disse estar alinhado às diretrizes de Paulo Guedes, mas defendeu que a privatização deve ser baseada em números e levar em conta as necessidades estratégicas do País.

Últimos números

Depois de quatro anos seguidos de prejuízos, os Correios voltaram a registrar resultados positivos em 2017 e 2018, quando o lucro líquido da estatal chegou a R$ 667 milhões e R$ 161 milhões, respectivamente. A recuperação é fruto de medidas como o  programa de demissões incentivadas adotado em 2017 e mudanças nas regras de financiamento do plano de saúde de seus funcionários.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
publicidade

Economia

Mercado reduz expectativa de crescimento da economia pela 17ª semana seguida

Publicado

Paulo Guedes, Mourão e Bolsonaro
Alan Santos/PR

Mercado reduziu expectativa de drescimento da economia pela 17ª semana seguida

A estimativa do mercado financeiro para o crescimento da economia segue em queda, de acordo com o  Boletim Focus , pesquisa semanal feita pelo Banco Central (BC) com participação de instituições financeiras e divulgada nesta segunda-feira (24).

Leia também: Dificilmente teremos concursos no Brasil nos próximos anos, diz Bolsonaro

A projeção para a expansão do Produto Interno Bruto ( PIB ), que representa a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, foi reduzida de 0,93% para 0,87%. Essa foi a 17ª redução consecutiva. Desde o início do governo de Jair Bolsonaro (PSL), a estimativa despencou de 2,53% para, por enquanto, 0,87%, e a tendência segue sendo de queda.

A expectativa das instituições financeiras é que a economia tenha crescimento maior em 2020. A estimativa é de 2,20%, a mesma da semana passada. A previsão para 2021 e 2022 permanece em 2,50%.

Inflação e taxa Selic

A estimativa de inflação em 2019, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), caiu pela quarta vez seguida, passando de 3,84% para 3,82%. A meta inflacionária deste ano, definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), é de 4,25%, com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%. Se a projeção for atingida, portanto, a meta será batida.

Leia mais:  Avianca demite 30% de seus funcionários no aeroporto de Guarulhos

A projeção para 2020 caiu de 4% para 3,95%. A meta para o próximo ano é de 4%, com o mesmo intervalo de tolerância, de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Para 2021, o centro da meta é 3,75%, também com a mesma tolerância de 1,5 ponto percentual. O CMN ainda não definiu a meta de inflação para 2022. A previsão do mercado financeiro para a inflação em 2021 e 2022 permanece em 3,75%.

Para alcançar a meta de inflação, o Banco Central usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic, que  foi mantida em 6,5% ao ano pelo Comitê de Política Monetária (Copom).

Ao final de 2019, as instituições financeiras esperam que a Selic esteja em 5,75% ao ano, a mesma perspectiva da semana passada. Para o fim de 2020, a expectativa é que a taxa básica volte para 6,5% ao ano, e, no fim de 2021, chegue a 7,5% ao ano.

Leia também: Governo aprovará hoje medidas para reduzir preço do gás de cozinha e industrial

Quando o Copom reduz a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica. Quando a taxa aumenta, por outro lado, a finalidade é conter a demanda aquecida, o que causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Leia mais:  Governo prepara plano para reduzir preço do gás de cozinha nos próximos dias

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Governo quer privatizar todos os aeroportos da Infraero, anuncia ministro

Publicado

Tarcísio Gomes de Freitas, ministro da Infraestrutura
Agência Brasil/Wilson Dias

Tarcísio de Freitas, ministro da Infraestrutura, afirmou que governo quer privatizar todos os aeroportos da Infraero

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, afirmou que pretende privatizar os aeroportos de Santos Dumont, no Rio de Janeiro, e Congonhas, em São Paulo, até 2022. Hoje, esses dois aeroportos são administrados pela Infraero. Segundo ele, a ideia é “passar tudo para a iniciativa privada”. A declaração de Freitas foi feita nesta segunda-feira (24), em café da manhã organizado pelo Conselho Empresarial do LIDE (Grupo de Líderes Empresariais), no Rio de Janeiro.

Leia também: Por que tantas companhias aéreas enfrentam dificuldades no Brasil

“Já fizemos 12 leilões de aeroportos . Houve interesse da iniciativa privada. Em outubro, vamos fazer um leilão de 22 aeroportos. E depois mais um leilão de outros 22 aeroportos, incluindo Santos Dumont e Congonhas. Será até o fim de 2021, ou no mais tardar no início de 2022. Vamos transferir todos os aeroportos da Infraero para a iniciativa privada. A ideia é passar tudo para a iniciativa privada até 2021″, anunciou o ministro.

Leia mais:  Lava Jato já resultou em R$ 24 bilhões em créditos tributários, diz Receita

Freitas destacou o caso do Aeroporto de Macaé, no Norte do Estado do Rio, cuja administração vai ser transferida para a iniciativa privada (a Zurich) no segundo semestre deste ano. Ele citou a possibilidade de as empresas estrangeiras poderem operar no Brasil, sem limitação de capital nacional (a política de Céus Abertos). Para ele, há entre três e quatro empresas estrangeiras interessadas em iniciar as operações no Brasil.

Leia também: Gol vai elevar preços de passagens e reajustar milhas por baixa ocupação em voos

“Tivemos uma vitória que vai impulsionar o mercado de aviação que é o capital estrangeiro. Depois da Air Europa , tem mais três ou quatro empresas estrangeiras interessadas em vir para o Brasil. O fato de estarmos disponibilizando uma nova infraestrutura ajuda a atrair essas empresas. No Nordeste, há diversos grupos operando os aeroportos, o que ajuda a criar concorrência. Vamos mudar a vocação da Infraero que vai olhar para a aviação regional”, afirmou o ministro.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Política Nacional

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana