conecte-se conosco

Economia

Presidente do BNDES não descarta moeda única entre Brasil e Argentina

Publicado


joaquim levy
Marcelo Camargo/Agência Brasil

“É um tema interessante, mas temos que ver [se no Brasil] as condições são similares [às da Europa]”, disse Joaquim Levy

O presidente do BNDES, Joaquim Levy, se pronunciou a respeito da criação de uma moeda única entre Brasil e Argentina , chamada até então como “peso real”. O economista não descartou a possibilidade da criação de uma divisa única entre os dois países, mas destacou que é necessário uma análise mais detalhada para a implementação da medida.

“Ainda não estudei esse tema. Em áreas em que você tem livre-comércio, onde você tem convergência fiscal de políticas econômicas, é uma experiência que temos acompanhado nos últimos 20 anos com o euro . Sem dúvida nenhuma é um tema interessante, complexo, e no caso da Europa criou um grande impulso de integração. Temos que ver [se no Brasil] as condições são similares”, justificou Levy.

Ao ser perguntado se estava animado com a proposta de moeda única , Levy ressaltou tratar-se de uma decisão política e que Guedes, assim como ele, reconhece a necessidade de políticas fiscais alinhadas. “Acho que é uma decisão política. Ele [Guedes] tem exatamente essa visão, de que exige convergência de políticas fiscais”, declarou.

Leia mais:  Odebrecht vende sede em SP e amortiza dívida de R$ 500 milhões

Leia também: Maia critica moeda única proposta por Bolsonaro: “Volta da inflação?”

O presidente do BNDES  participou de um almoço com o ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta sexta-feira (7), no Country Club, na zona sul do Rio de Janeiro. Além das duas autoridades, também estavam presentes membros do Conselho Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri).

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
publicidade

Economia

Governo recua e planeja testes de seis meses a um ano para implantar ‘nova CPMF’

Publicado

source
Bolsonaro e Paulo Guedes arrow-options
Isac Nóbrega/Palácio do Planalto

Governo planeja período de testes de seis meses a um ano para implantar ‘nova CPMF’

O novo imposto nos moldes da antiga Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras (CPMF) que a equipe econômica pretende criar deve ter um teste de seis meses a um ano, em que vigorará com alíquota reduzida. A ideia dos técnicos é calibrar a capacidade de arrecadação do novo tributo para substituir, aos poucos, a contribuição sobre folha de pagamento, que financia a Previdência.

Leia também: Bolsonaro recua e diz estar disposto a ouvir Guedes sobre novo imposto

O novo tributo , que vem sendo chamado internamente apenas de contribuição previdenciária (CP), começaria com uma alíquota de aproximadamente 0,2%. Nesse patamar, seria possível cortar a alíquota do imposto sobre salários — recolhido por empregadores — de 20% para até 13%. A CP subiria gradativamente, até que sua arrecadação passe a ser suficiente para cobrir a desoneração total da folha. Nesse ponto, também seriam substituídos ao menos outros dois tributos: o IOF e a CSLL.

A informação sobre a alíquota inicial foi publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo e confirmada pelo GLOBO . O número, no entanto, ainda não está definido, informou uma fonte ao GLOBO . Também não há ainda informações sobre quando terminaria o período de transição até a desoneração completa da folha de pagamentos.

Leia mais:  Café arábica tem alta no preço e boi gordo sofre queda nesta sexta-feira

A criação de um imposto nos moldes da CPMF enfrenta forte resistência de parlamentares e até do próprio presidente Jair Bolsonaro (PSL). O chamado “imposto do cheque” vigorou entre 1997 e 2007 e se tornou impopular, principalmente por ter aumentado a carga tributária . Além disso, especialistas afirmam que o tributo geraria distorções por ser cumulativo: ou seja, seria cobrado em todas as etapas da cadeia de produção.

Para vencer essas resistências, a equipe econômica defende que o novo tributo não é uma simples reedição da CPMF, porque substituirá outro imposto. Portanto, não haveria aumento da carga. A equipe chefiada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, também aposta no argumento de que a nova contribuição será criada por uma causa nobre: incentivar a geração de empregos.

Leia também: Bolsonaro não descarta privatização da Petrobras: ‘Tudo o governo estuda’

Na última quarta, Guedes defendeu publicamente a criação da “nova CPMF” e disse que caberia à classe política decidir se adotaria o novo imposto. O relator da reforma tributária que tramita na Câmara dos Deputados, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) disse na semana passada que “CPMF não se discute” na Casa, assim como já garantiu Rodrigo Maia.

Leia mais:  Guedes explica nova Previdência em comissão especial da Câmara; assista

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Saques acima de R$ 5 mil no fundo Pasep podem ser feitos a partir desta quinta

Publicado

source
agência do Banco do Brasil arrow-options
Divulgação Banco do Brasil

Agências do Banco do Brasil começam a liberar nesta quinta-feira o saque do Fundo Pasep acima de R$ 5.000

A partir desta quinta-feira (22), os servidores públicos com mais de R$ 5.000 de saldo no fundo Pasep, e que não tenham conta no Banco do Brasil (BB), já podem sacar o valor. Para isso, eles devem ir até uma agência do banco público.

A permissão para retirar o dinheiro não tem  data para acabar . Os saques para quem tem conta no BB foram liberados na última segunda-feira (19). Para quem não tem conta no Banco de Brasil e o saldo é menor de R$ 5.000, o dinheiro também já está disponível, desde a última terça-feira (20). 

FGTS: prazo para correntista da Caixa antecipar saque de R$ 500 termina domingo

O  fundo Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) é voltado para os servidores públicos, enquanto  o Programa de Integração Social (PIS) se dirige aos trabalhadores da iniciativa privada. O Pasep é administrado pelo BB, enquanto o PIS fica sob a gestão da Caixa. 

Leia mais:  Dólar volta a cair, mas ainda opera acima de R$ 3,75 nesta quarta-feira

Por isso, o servidor que trabalhou entre 1971 e 1988 em órgão público e ainda não retirou os recursos, tem o direito de acessá-los agora.

Como saber o saldo?

Devedor de pensão alimentícia não poderá fazer saque emergencial do FGTS

Os servidores públicos podem fazer a consulta do saldo no Pasep das seguintes formas:

  • Pelo site do Banco do Brasil. Nesse caso, é necessário informar o número de inscrição no Pasep, ou o CPF e a data de nascimento.
  • Pelo telefone, os números 4004-0001 (capitais) e 0800-729-0001 (demais localidades), estão disponíveis  Também é necessário informar o número de inscrição no Pasep ou CPF e data de nascimento.
  • Ir até uma agência do Banco do Brasil com a inscrição no Pasep ou RG com número de CPF e foto, também é uma opção. O próprio banco, porém, ressalta que as alternativas anteriores são mais indiciadas, já que o trabalhador pode perder a viagem se não tiver saldo.

Não é abono

A retirada no fundo Pasep não tem relação com o abono salarial do PIS/Pasep. Entre 1971 e 1988, empresas e órgãos públicos depositavam dinheiro em nome de cada funcionário ou servidor. Assim, eles passavam a ser cotistas do Fundo. Esse é o dinheiro que está sendo acessado agora. 

Leia mais:  Odebrecht vende sede em SP e amortiza dívida de R$ 500 milhões

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Política Nacional

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana