conecte-se conosco

Política Nacional

Pesquisa: Dois terços dos brasileiros são contra filho de Bolsonaro em embaixada

Publicado

Eduardo arrow-options
Reprodução/Instagram/Bolsonarosp

Pesquisa: Dois terços dos brasileiros são contra filho de Bolsonaro embaixador

Um levantamento divulgado pelo instituto Paraná Pesquisas revelou que quase dois terços dos brasileiros são contra a indicação do deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, para o cargo de embaixador do Brasil nos Estados Unidos.

Leia também: Embaixadores brasileiros em Washington “não fizeram nada de bom”, diz Bolsonaro

 A pesquisa ouviu 2.118 pessoas em 160 cidades entre os dias 13 e 17 de julho e fez o seguinte questionamento: “o sr(a) concorda ou discorda com o Presidente Jair Bolsonaro em nomear seu filho Eduardo Bolsonaro como embaixador do Brasil nos Estados Unidos?”. Enquanto 65% dos entrevistados foi contra a presença do deputado na embaixada, 28,7% se posicionaram a favor da indicação do parlamentar.

O nome do deputado foi ventilado pelo presidente Jair Bolsonaro para a embaixada brasileira na última quinta-feira (11), um dia depois do filho completar 35 anos, idade mínima para ser embaixador.

No dia seguinte, o deputado listou suas credenciais para assumir o posto. “É difícil falar de si próprio. Mas não sou um filho de deputado [presidente] que está do nada vindo a ser alçado a essa condição. Existe um trabalho sendo feito, sou presidente da Comissão de Relações Exteriores [da Câmara], tenho uma vivência pelo mundo”, disse Eduardo, após reunião com o chanceler Ernesto Araújo, no Palácio do Itamaraty.

Leia mais:  Associação dos Magistrados entra com ação no STF para barrar juiz de garantias

“Já fiz intercâmbio, já fritei hambúrguer lá nos EUA , no frio do Maine, estado que faz divisa com o Canadá. No frio do Colorado, numa montanha lá, aprimorei meu inglês. Vi como é o trato receptivo do norte-americano para com os brasileiros”, listou o filho do presidente . “Então acho que é um trabalho que pode ser desenvolvido”, afirmou.

Leia também: Eduardo Bolsonaro cita pós-graduação não concluída em currículo para embaixada

A declaração de Eduardo Bolsonaro e a indicação em si causaram revolta na oposição, que vem criticando a atitude do presidente. Parte da base do governo também se irritou com a ideia de um dos filhos de Bolsonaro assumir um cargo tão importante. Para parte dos aliados do presidente, a atitude gera um desgaste desnecessário.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
publicidade

Política Nacional

Witzel diz que ligação para Mourão foi para ‘mostrar união’ e ‘pedir apoio’

Publicado

source
Wilson Witzel arrow-options
Luciano Belford / Agência O Dia

“Quero dizer que minha ligação, ontem, ao vice-presidente foi para demonstrar união”, disse Witzel.

Após críticas do presidente Jair Bolsonaro e do presidente em exercício Hamilton Mourão , o governador do Rio, Wilson Witzel, usou seu perfil no Twitter, nesta segunda-feira, para comentar o episódio. Em vídeo um vídeo, ele disse que a conversa que teve com Mourão sobre as chuvas no Norte e Noroeste do estado — gravada por Witzel e compartilhada na mesma rede social — foi para “mostrar união, pedir apoio e dar satisfação ao povo e aos prefeitos em uma hora tão difícil”.

Leia também: Moro diz que indicação ao STF seria caminho ‘natural’ para sua carreira

“Quero dizer que a minha ligação, ontem, ao vice-presidente foi para demonstrar união, de todos aqueles que estão preocupados com essa tragédia: Município, Estado, União. E dar satisfação para os prefeitos, para o povo, de que o governador do Estado está também pedindo esse apoio à União. Então, espero que nós todos estejamos unidos para salvar essas pessoas que estão hoje debaixo de água. Obrigado”, disse Witzel .

Na conversa que teve com Mourão, ocorrida neste domingo e filmada por um assessor do governador, Witzel pede apoio ao envio de água potável às áreas atingidas pelas chuvas. Ao comentar o episódio, Bolsonaro disse que “o que se trata por telefone tem que ser reservado”.

“Pelas imagens, ele está no seu carro e um assessor filma. E ele liga para o presidente em exercício. Acho que não é usual alguém fazer isso. Eu não gostaria que fizessem comigo qual seja o assunto. O que se trata por telefone tem que ser reservado”, disse o presidente.

Leia mais:  Covas pretende dobrar gastos com zeladoria de São Paulo em ano eleitoral

Já o presidente em exercício acusou Bolsonaro de não ter “ética” e “moral”. “Em relação ao governador Wilson Witzel, ele diz que foi fuzileiro naval. Eu acredito que ele esqueceu a ética e a moral que caracterizam as Forças Armadas quando saiu do corpo de fuzileiros navais. Nada mais tenho a dizer a respeito”, disse Mourão, ao chegar na Vice-Presidência.

Leia também: “Agora não pode mais prender jornalista”, ironiza Moro 

Mais tarde, ao deixar a Vice-Presidência, Mourão disse que conversou com o presidente Jair Bolsonaro sobre o assunto e afirmou que os dois concordaram que Witzel deveria ter avisado que faria a gravação:

“O presidente só disse que é uma coisa que não é ética. É óbvio. Se você vai gravar alguém, você diz: ‘Olha, vou te gravar aqui, porque vou botar para o povo do Rio de Janeiro, para saber que eu estou atuando’. Ok, beleza, 100%”.

Governo divulga nota sobre o episódio

Em nota, o governo do estado disse que a divulgação do vídeo nas redes sociais tinha como objetivo de apenas “tranquilizar os moradores de cidades do Noroeste do estado fortemente atingidas pelas chuvas”. O comunicado ressaltou ainda que a publicação “não tem qualquer outra conotação que não demonstrar união num momento de necessidade do povo” e que “o telefonema carateriza uma conversa de trabalho”.

Leia a íntegra da nota: 

“O vídeo divulgado nas redes sociais do governador Wilson Witzel tem somente a intenção de tranquilizar os moradores de cidades do noroeste do estado, fortemente atingidas pelas chuvas e, em função disso, sem item básico neste momento que é água para consumo. A informação de que os governos estadual e federal estarão juntos para atender demandas básicas da população da região não tem qualquer outra conotação que não demonstrar união num momento de necessidade do povo. Por isso é importante e de interesse público.

A disposição de auxiliar a região demonstrada pelo presidente em exercício, Hamilton Mourão, é prova do compromisso com as vítimas dessa calamidade que trouxe grandes prejuízos a várias cidades fluminenses. Ressalte-se que o telefonema carateriza uma conversa de trabalho, buscando uma solução para um problema específico. E a sensibilidade demonstrada pelo presidente em exercício evitará o sofrimento de milhares de pessoas”.

Leia também: Frota quer convocar Regina Duarte para falar na Câmara 

Leia mais:  Juíza esfaqueada no pescoço diz que ataque foi “tentativa de intimidação”

Confira a conversa entre Witzel e Mourão:

Witzel : Senhor presidente, boa tarde!

Mourão : Boa tarde, governador, tudo bem?

Witzel :Tudo bem! Presidente, estou aqui em Porciúncula, uma região muito afetada, Porciúncula, a região de Itaperuna…

Mourão : Estamos cientes, estamos cientes, governador.

Witzel : O maior problema, agora, presidente, é água. Estou com uma grande quantidade de água lá no Rio de Janeiro e precisava trazer para cá. E, realmente, a população aqui de Porciúncula é de 15 mil pessoas sem água. Estou indo para uma outra região daqui, Bom Jesus (de Itabapoana), também sem água porque as bombas da Cedae estão submersas, está a metade da cidade submersa. Nós já pedimos para o Ministério da Defesa para fazer o protocolo e aí estou passando para o senhor essa nossa necessidade.

Mourão : Vou falar com o ministro Fernando para intensificar isso aí. O ministro Canuto está lá em Minas Gerais e no Espírito Santo. Aí, qualquer coisa a gente apoia mais alguma coisa aí no Rio de Janeiro, governador. Fica tranquilo.

Witzel : Obrigado, presidente! Vou avisar os prefeitos que estão aqui comigo. Vou comunicar a eles. Obrigado! Agradeço o apoio do senhor e da União!

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

Justiça de São Paulo apreende caminhonete de Ciro para indenizar Holiday

Publicado

source
Ciro Gomes falando ao microfone arrow-options
Marcelo Camargo / Agência Brasil

Ciro foi presidenciável em 2018

A Justiça de São Paulo apreendeu uma caminhonete Toyota Hilux do ex-ministro e ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT) para garantir que ele pague parte da indenização ao vereador Fernando Holiday (DEM). Ciro foi condenado em fevereiro do ano passado a pagar R$ 38 mil a Holiday por tê-lo chamado de “capitãozinho do mato”. A informação é da colunista Mônica Bergamo, do jornal Folha de S. Paulo .

A decisão foi tomada pela juíza Lígia dal Colleto Bueno, da 1ª Vara do Juizado Especial Cível, e a defesa do ex-minsitro já disse que vai recorrer.

Leia também: Ciro volta a chamar Holiday de ‘capitão-do-mato’; vereador promete novo processo

Ciro deu declaração durante um entrevista à Rádio Jovem Pan, em junho de 2018. “Imagina, esse Fernando Holiday aqui. O capitãozinho do mato, porque é a pior coisa que tem é um negro que é usado pelo preconceito para estigmatizar, que era o capitão do mato do passado”, disse na ocasião. À epoca ele disputava as eleições para presidente.

Leia mais:  Associação dos Magistrados entra com ação no STF para barrar juiz de garantias

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Política Nacional

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana