conecte-se conosco

Política Nacional

O que é o “gabinete do ódio” que está na mira da CPI das Fake News

Publicado

source
Jair Bolsonaro e filho arrow-options
Rafael Carvalho/Governo de Transição

Grupo tem forte influência sobre as decisões do presidente

Ele fica no terceiro andar do Palácio do Planalto e agora está na mira da Comissão Parlamentar de Inquérito que investiga a disseminação de informações falsas na internet, a CPI das Fake News . Com forte influência nas opiniões do presidente Jair Bolsonaro, o ” gabinete do ódio ” é um grupo que produz relatórios diários para a presidência sobre os acontecimentos do Brasil e do mundo, coordena as redes sociais do Planalto e todo o planejamento de campanhas digitais do governo federal.

Defensor da pauta de costumes, o grupo é ligado ao vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (PSC), filho do presidente, e também conta com a participação dos assessores Tércio Arnaud Tomaz, José Matheus Sales Gomes, Mateus Matos Diniz e Filipe Martins, que cuida dos assuntos da área internacional do governo Bolsonaro.

O grupo funciona de uma forma independente dentro e não aceita nenhum tipo de interferência dos funcionários da Secretaria de Comunicação (Secom). O seu líder é Carlos Bolsonaro, que atua sob a inspiração do escritor Olavo de Carvalho, e várias vezes já convenceu Bolsonaro a adotar posições mais duras.

Leia mais:  Empréstimos do BNDES eram trocas por recursos para campanhas do PT, diz Palocci

Leia também: Bolsonaro omitiu comitê de campanha em declaração à Justiça Eleitoral

Uma dessas situações aconteceu no fim de julho, quando o presidente desistiu de receber o chanceler da França, Jean-Yves Le Drian e depois apareceu em uma transmissão ao vivo nas redes sociais cortando o cabelo.

Apesar dessa grande influência que o grupo tem na agenda de Bolsonaro, Flávio é um dos filhos que não vê com bons olhos a atuação mais extrema do grupo. Por conta disso, ele frequentemente pede que o pai deixe de dar tanta importância ao grupo.

Leia também: Carlos Bolsonaro pretendia cria uma Abin paralela, acusa Joice Hasselmann

Outro integrante do “gabinete do ódio” é Célio Faria Júnior, que Bolsonaro trouxe da Marinha e hoje é chefe da Assessoria Especial da Presidência. Completando o time está o assessor parlamentar Leonardo Rodrigues de Jesus, o Leo Índio. Ele é primo dos irmãos Bolsonaro, tem carta branca para entrar no Palácio do Planalto e atua como se fosse um “espião” do governo. 

Leia mais:  Witzel diz que vai processar Bolsonaro: “quem não deve, não teme”

Em uma ocasião, Leo Índio já fez dossiês de “infiltrados e comunistas” nas estruturas do governo federal. 

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
publicidade

Política Nacional

Delegada que estava à frente do caso Flordelis é transferida de delegacia

Publicado

source
Delegada arrow-options
Bruno Gonzalez / Agência O Globo

Delegada Bárbara Lomba agora será titular da 11ªDP (Rocinha)

A delegada Bárbara Lomba não irá mais continuar à frente das investigações acerca da morte do pastor Anderson do Carmo, marido da deputada federal Flordelis (PSD), assassinado a tiros, na madrugada do dia 16 de junho de 2019, na garagem de casa em Pendotiba, Niterói, na Região Metropolitana do Rio.

Leia também: Estudante foi eliminada do Enem no lugar de sua xará

Num boletim interno publicado pela Polícia Civil, o qual a reportagem teve acesso, ficou definido que Lomba deixa a Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI), e,agora, será titular da 11ªDP (Rocinha). O delegado Allan Duarte Lacerda, que estava na 127ªDP (Búzios), assumirá a DHNSGI.

Lacerda, que, agora, assume não só este caso de repercussão nacional, como tantos outros da Especializada, volta à DH de Niterói e São Gonçalo após pouco mais de um ano. Ele era um dos braços direitos de Bárbara Lomba quando, no início de 2019, foi movido para titular da 127ªDP (Búzios).

Leia mais:  Maioria do TRF-1 pede que STF investigue quem pagou o advogado de Adélio

Dois anos à frente da DH de Niterói

Outra investigação que estava a cargo de Lomba era o assassinato de cinco pessoas em um condomínio do programa “Minha Casa, Minha Vida” em Itaipuaçu, distrito de Maricá. As vítimas foram identificadas como Sávio de Oliveira Vitipó, de 19 anos, Mateus Bitencourt da Silva, de 18 anos, e os adolescentes Patrick da Silva Diniz, Matheus Barauna dos Santos e Marco Jonathan da Silva Oliveira. Segundo a Polícia Civil, os jovens foram mortos pela milícia. Bárbara também esteve à frente de de diversos inquéritos que apuram mais de 50 assassinatos em Itaboraí, praticados por um grupo ligado a Orlando Oliveira de Araújo, o Orlando Curicica.

Novidade no caso motivou troca?

A mudança aconteceu no mesmo dia em que um  último avanço na investigação do caso Flordelis foi revelado em reportagem da TV Globo e confirmado pelo GLOBO: o celular de Anderson, desaparecido desde o dia do crime, teria sido acionado na casa de Yvelise de Oliveira, esposa do senador Arolde de Oliveira (PSD), e presidente do Grupo MK, que produziu discos de Flordelis. Procurado pela reportagem, Arolde de Oliveira disse que ele e a mulher estão perplexos.

Leia mais:  Ex-governador Sérgio Cabral já estudou jardinagem para reduzir pena

Leia também: Turista europeu é preso ao contratar adolescente de 13 anos para programa sexual

“Isso não existe. Estou perplexo. Cabe o ônus da prova a quem acusa. Nunca imaginei um ataque desta natureza. Deus é maior que isso tudo. Yvelise está tão perplexa quanto eu estou, e estamos achando que pode ter sido uma clonagem. Amanhã (quarta-feira) vou ver o que eu faço. Quem não deve, não teme”, disse Arolde.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

Maia, Lula, Gleisi e Boulos criticam denúncia do MPF contra Glenn Greenwald

Publicado

source
Glenn Greenwald arrow-options
Agência Pública

Glenn Greenwald

BRASÍLIA — O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse na tarde desta terça-feira (21) que a denúncia feita pelo Ministério Público Federal contra Glenn Greenwald é “uma ameaça à liberdade de imprensa”. O jornalista foi acusado de colaborar com ações criminosas relacionadas à invasão do aplicativo Telegram de autoridades públicas.

“A denúncia contra o jornalista @ggreenwald é uma ameaça à liberdade de imprensa. Jornalismo não é crime. Sem jornalismo livre não há democracia”, escreveu Maia em sua conta do Twitter. 



Outros políticos também saíram em defesa de Glenn. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) manifestou solidariedade e afirmou que o jornalista está sendo vítima de abuso de autoridade contra a liberdade de imprensa e a democracia. 

A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, disse que o MPF “abusa do poder” para se vingar de Glenn , “que denunciou crimes da Lava Jato e a parcialidade de Moro contra Lula”. 

Leia mais:  Empréstimos do BNDES eram trocas por recursos para campanhas do PT, diz Palocci



Guilherme Boulos (PSOL) e Manuela D´Ávila (PCdoB) candidatos a presidente e vice nas eleições de 2018, também se manifestaram a favor do jornalista. “O MPF denunciou Glenn Greenwald. Acusação: fazer jornalismo”, escreveu Boulos. 


Leia mais:  Witzel diz que vai processar Bolsonaro: “quem não deve, não teme”



O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), por sua vez, comemorou a denúncia. “Glenn Greenwald sempre disse que adorava o Brasil e queria conhecer o país a fundo. Quem sabe agora vai conhecer até a cadeia… talvez jogar futebol com o Freixo…”, afirmou. 

O Ministério Público Federal apresentou denúncia contra sete pessoas, incluindo o jornalista. O caso é investigado na Operação Spoofing. Para o procurador Wellington Divino Marques de Oliveira, da Procuradoria da República no Distrito Federal, Greenwald foi “partícipe” nos crimes de invasão de dispositivos informáticos e monitoramento ilegal de comunicações de dados, além de ter cometido o crime de associação criminosa.

Leia também: ‘Você não acredita na Justiça?’, diz Bolsonaro sobre denúncia contra Glenn

Os diálogos utilizados pelo Ministério Público Federal do Distrito Federal (MPF-DF) mostram que o jornalista não respondeu ao hacker Luiz Henrique Molição quando este o questionou se deveria invadir o aplicativo Telegram de outras autoridades e sugeriu que ele apagasse as mensagens obtidas por meio da invasão para que a identidade de sua fonte não fosse descoberta.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Política Nacional

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana