conecte-se conosco

Mato Grosso

MTI discute sobre gestão de projetos e inteligência artificial

Publicado

Os analistas da Empresa Mato-grossense de Tecnologia da Informação (MTI) participaram nesta quarta-feira (17.07) de mais uma edição do Café Tech, onde puderam discutir sobre gestão de projetos e sua implantação nas empresas, bem como sobre inteligência artificial.

O Café Tech foi criado como parte da iniciativa de disseminar a cultura da inovação entre os colaboradores da MTI. Ao longo das edições anteriores, já foram discutidos sobre ferramentas e aplicativos que podem aprimorar os trabalhos na área de tecnologia e contribuir para a criação de novas oportunidades de negócio.

Nesta quarta edição, o analista da Cromus Consultoria, Clebiano Nogueira, palestrou sobre os “Mitos e as verdades na implantação da gestão de projetos”. Segundo ele, há sete “mitos” que todos dizem e que impedem o gerenciamento dos projetos para se conseguir atingir o resultado esperado, seja em produtos ou serviços.

Os mitos envolvem a metodologia, apoio executivo, comunicação, controle de mudanças, métricas, lições aprendidas e melhoria contínua. O primeiro mito, segundo Clebiano, é referente à afirmativa referente Project Management Institute (PMI) para gerenciamento de projeto. Isto porque o PMI não trabalha com metodologia, mas boas práticas de gestão. 

O segundo mito trata-se da afirmativa de que gerentes de projetos têm autonomia para selecionar ou gerenciar projetos. Contudo, esse mito cai por terra, uma vez que é necessário o apoio do patrocinador para o bom desenvolvimento do projeto.

Leia mais:  Polícia Militar localiza e recupera oito veículos roubados na capital e no interior

Já o terceiro mito diz respeito ao entendimento de que a execução das atividades está garantida a partir do alinhamento das responsabilidades. “O pior da comunicação é a ilusão de que ela ocorreu. É preciso certificar de que o detalhamento do projeto, de entregas e resultados esperados esteja claro para cada um dos membros”, disse.

Outro mito é se considerar o projeto 100% entregue de acordo com o planejado, bem como considerar as métricas baseadas em percentual concluído das atividades. “É preciso ter outras maneiras de gerenciar. Hoje temos indicadores de performance, de análise de valor agregado e indicadores de resultados”, afirmou Clebiano.

Além disso, outro mito que prejudica o andamento do projeto é reunir os integrantes no final, para compilar as lições aprendidas. “Se a lição é só no final, você já não se lembra do começo. As lições têm que ser organizadas desde o início. Pode-se ir anotando os históricos dos pontos relevantes, importantes e fortes vividos durante o andamento do projeto”, explicou.

O analista de TI da MTI que atua na Sefaz, Guilherme Campos, explica sobre machine learning

Também é considerado mito relevante a crença de que a experiência e a ferramentas são suficientes para enfrentar os desafios da disrupção digital.  “Não basta apenas conhecimento. É preciso melhorar e revisar a metodologia para garantir projetos bem feitos”, encerrou.

Leia mais:  Frota com ar-condicionado e wi-fi já está disponível em Santo Antônio e Chapada

Machine Learning 

Além da gestão de projetos, foi discutido ainda sobre inteligência artificial na palestra “Introdução à Machine Learning e Deep Learning”, realizada pelo analista Guilherme Campos, servidor da MTI cedido à Secretaria de Fazenda (Sefaz).
A Machine Learning é considerada uma aprendizagem de máquina, que é a capacidade de um computador de aprender e evoluir à medida que é exposto a novos dados e em constante mudança, de modo que possam fazer tarefas que seriam executadas por pessoas.

Já a Deep Learning é uma aprendizagem profunda, cuja tecnologia tornou-se muito comum atualmente. “A Deep Learning é uma das sub-áreas do Machine Learning e que está muito em alta e na moda e tem resultados impressionantes”, disse Guilherme.

Segundo Guilherme, a Deep Learning é utilizada em aplicações como visão computacional, reconhecimento de fala e compreensão de linguagem natural. “Você consegue trabalhar em outras áreas, como voz, texto e processamento de linguagem natural. E isso é mais uma ferramenta que se tem para trabalhar. Por isso é interessante conhecer as novas técnicas, mesmo que não seja profundo conhecedor, para que possamos propor soluções para problemas futuros”.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

Comunidade indígena da Aldeia Kururuzinho comemora entrega de escola nova

Publicado

Cerca de 160 alunos da Escola Estadual Indígena Itaawy’ak, localizada na Aldeia Kururuzinho, que fica entre os municípios de Apiacás (a 1.010 quilômetros de Cuiabá) e Jacareacanga (PA), foram beneficiados com uma escola nova. A entrega da obra foi realizada neste domingo (18.08) em uma cerimônia que reuniu toda a comunidade, profissionais da educação e autoridades políticas da região.

O superintendente de Obras da Seduc, Milton Mendonça Jaqueira, explicou que a execução do novo prédio foi realizada pela empresa São Manoel Energia, por meio de acordo de cooperação técnica e em atendimento ao Programa de Fortalecimento das Organizações Indígenas do Plano Básico Ambiental Indígena (PBAI).

“Que essa escola seja o alicerce para um futuro digno para todo o povo dessa terra. Espero que daqui saiam grandes profissionais e grandes líderes para cuidar e defender as comunidades indígenas do nosso país”, disse.

O novo prédio é composto por seis salas de aula, laboratório de informática, refeitório, quadra poliesportiva, alojamento para os professores e dependência administrativa. O atendimento será para alunos do ensino fundamental e médio.

Leia mais:  Estão abertas as inscrições para a 5° Copa Centro-Oeste de Bandas e Fanfarras de Sorriso

A escola estadual Itaawy’Ak foi umas das primeiras unidades criadas em Mato Grosso para atender alunos indígenas. A aldeia Kururuzinho, da etnia Kayabi, fica localizada às margens do Rio Teles Pires.

Conforme destacou a assessora pedagógica de Apiacás, Érica Mota, o atendimento à essa escola requer dos profissionais da educação muita logística, pois estão, em sua maioria, margeando o Rio Teles Pires, acesso esse que exige horas de viagem por estrada não pavimentada e tantas outras por via fluvial.

“Fico encantada ao encontrar nessas aldeias crianças e jovens que mesmo na diversidade estão sendo ensinadas a ler e escrever sem perder sua cultura, pois a língua materna, práticas culturais e sustentabilidade, práticas agroecológicas e tecnologias indígenas são disciplinas obrigatórias nessas escolas”, observou a assessora.

“Hoje é um dia muito especial para nosso povo, pois receber uma escola com toda essa estrutura era um sonho que está sendo realizado. Aqui serão formados nossos alunos e garantir um futuro melhor para todos”, disse o cacique Elenildo Kayabi.

Leia mais:  Polícia Militar localiza e recupera oito veículos roubados na capital e no interior

Segundo o diretor da escola, Elimar Akay, a escola atende alunos da região dos municípios de Apiacás, Alta Floresta e também de Jacareacanga (PA). “O saber e o conhecer é o caminho para um futuro melhor de qualquer comunidade e essa escola vai facilitar a execução do nosso trabalho”.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Conferência discute processo de retomada de transplante renal em Mato Grosso

Publicado

Com o tema “Transplante Renal: Desafios e Oportunidade para a Nova Realidade de Mato Grosso”, os profissionais da Saúde que integram a equipe da Central Estadual de Transplante da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) e são atuantes no processo de retorno do serviço de transplante de renal no Estado participaram, nesta terça-feira (20), da Conferência de alinhamento dos procedimentos técnicos de desenvolvimento do programa.

O evento contou com a presença do secretário de Saúde, Gilberto Figueiredo, que falou sobre a importância do retorno desses serviços para os pacientes que precisam realizar este tipo de cirurgia.

“Essa força-tarefa, que envolve diversos protagonistas, retomará os transplantes de rim em Mato Grosso. Temos a certeza de que a convergência existente em um projeto dessa natureza será coroada com muito êxito e não faltará apoio do Governo do Estado no sentido de vencer os obstáculos – pois não é à toa que a iniciativa está paralisada há 10 anos. Pretendemos exercer um trabalho proativo de conscientização sobra a importância da doação de órgãos para a população que, certamente, será a maior beneficiada”, declarou.

Leia mais:  Oferta de emprego no Sine-MT alcança 1.739 vagas em Cuiabá e interior

Outro foco da Conferência foi reunir os representantes das Clínicas de Hemodiálise para apresentar o programa, visto que esses profissionais atuam na indicação dos pacientes que necessitam integrar a lista de pessoas à espera do transplante de rim.

Segundo informações repassadas pela coordenadoria Estadual de Transplantes, representado pela coordenadora Fabiana Molina, a Central já iniciou um processo de acompanhamento ambulatorial que está quantificando o número de pacientes que vão fazer parte da lista de seleção para realizar a cirurgia de transplante.

“Já iniciamos o acompanhamento ambulatorial, já avaliamos cerca de 200 pacientes, que estão em diversas fases. Nos próximos dias, vamos iniciar a listagem de pacientes, colocar todos no cadastro técnico para que eles possam de fato ser selecionados para um transplante na situação em que houver órgãos disponíveis aqui em Cuiabá”, explicou Fabiana.

A secretária adjunta de Regulação, Controle e Avaliação da SES-MT, Fabiana Bardi, disse que a retomada dos procedimentos de transplante Renal é uma grande conquista não penas para SES-MT, mas principalmente para Estado, pois este serviço foi interrompido há 10 anos.

Leia mais:  Estado convoca reunião com municípios para tratar de assuntos ligados ao Samu

“Agora nós conseguimos, vamos dar início a retomada deste serviço que é tão importante para aqueles que precisam. Além disso, com essa retomada, teremos uma grande economia para o Estado, pois um dos maiores valores é o gasto com transporte de pacientes para fora de Mato Grosso”, pontuou a gestora.

Ainda de acordo com a secretária, a SES-MT trabalha intensamente para que o Estado comece a realizar ainda este ano os primeiros transplantes, pois os procedimentos documentais já foram protocolados no Ministério da Saúde e o Secretário trabalha intensamente para buscar todas as liberações necessárias para reiniciar os trabalhos.

Para alinhar toda parte estratégica, a Conferência contou com a participação do médico Valter Garcia, membro da Câmara Técnica de Transplante Renal do Ministério da Saúde. O profissional possui e um vasta experiência e veio para contribuir com os elementos finais para o reinicio das atividades.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Política Nacional

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana