conecte-se conosco

Mato Grosso

Missão do Programa REM elogia integração dos órgãos do executivo de MT

Publicado

A segunda missão de monitoramento do Programa REM Mato Grosso destacou a integração e a cooperação entre os órgãos do Poder Executivo Estadual na execução das ações que visam complementar as ações já desenvolvidas por Mato Grosso para combate ao desmatamento ilegal e valorização da floresta em pé.

“Todas as secretarias estão realmente trabalhando juntas. Quando chegamos aqui em 2016 isso não acontecia muito e agora vemos que esse processo está muito mais natural. Foi muito gratificante ver o compromisso de gerar resultados de implementação”, elogiou a coordenadora do Programa REM, Christiane Ehringhaus. Durante a visita, a líder da delegação também enfatizou a decisão da nova gestão, sob o comando do governador Mauro Mendes, em assumir o programa mantendo a mesma equipe gestora: “Também percebemos o comprometimento com a qualidade técnica e entrega de resultados diretos para a população que está na base”.

Para avaliar o avanço e implementação do programa REM Mato Grosso (REDD+ para pioneiros) e acordar as prioridades para sua efetivação, representantes do Governo de Mato Grosso, Instituto Produzir, Conservar e Incluir (PCI), banco Alemão KfW, Departamento de Negócios, Energia e Estratégia Industrial (BEIS) e Fundo Brasileiro da Biodiversidade (Funbio) se reuniram em Cuiabá entre os dias 25 e 30 de maio, semana que antecede as comemorações do Dia Mundial do Meio Ambiente.

A partir das reuniões, foi elaborado e assinado documento que contém os elogios e orientações para melhoria na execução do Programa REM Mato Grosso. Dentre as considerações, a missão apontou a necessidade de definição de regiões geográficas prioritárias, preferencialmente duas na Amazônia e uma no Cerrado. O relatório também aponta para a importância de que as ações tenham convergência estratégica para que os resultados esperados de combate ao desmatamento ilegal e valorização da floresta em pé sejam atingidos.

Tecnologia

Leia mais:  Adolescentes são apreendidos por envolvimento com tráfico de drogas

Durante a visita, a missão de monitoramento esteve na Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT), que coordena o programa REM Mato Grosso ao lado do Instituto Produzir, Conservar e Incluir, para conhecer na prática o trabalho da Superintendência de Fiscalização (SUF) e Superintendência de Regularização e Monitoramento Ambiental (SRMA). Por meio do programa de fortalecimento institucional previsto no projeto, a Sema pretende investir ainda mais em tecnologia, por meio de aquisição de imagens de satélite de alta resolução, para aumentar a eficiência do monitoramento em tempo real.

Servidora da Sema explica para a delegação como são feitas as análises e validações do Cadastro Ambiental Rural (CAR)

“Estamos criando um modelo de fiscalização para o combate do desmatamento ilegal que pode se tornar referência em todo País. Com a tecnologia que temos hoje já é possível agirmos mais rapidamente ao identificar os focos do desmatamento irregular”, destacou o secretário adjunto Executivo da Sema, Alex Marega, durante a ronda. A delegação também teve a oportunidade de conhecer a infraestrutura tecnológica que a Sema vem preparando para automatizar os processos de gestão ambiental e atualizar as bases de referência cartográficas.

A delegação da segunda missão de monitoramento do Programa REM foi liderada pelo banco KfW representado pela coordenadora do Programa REM, Christiane Ehringhaus, pelo gerente de Licitações e Compras, Klaus Kohnlein, o gerente de projetos, Florian Arneth e o assessor técnico de REDD+, Bojan Auhagen. Para representar o Reino Unido, estiveram em Mato Grosso Helen Humford do BEIS e Katerina Trosmann da Embaixada Britânica.

Secretaria vem preparando infraestrutura tecnológica para digitalização e automação dos sistemas de gestão ambiental

Estado pioneiro

Desde 2004, Mato Grosso obteve uma redução de 89% no desmatamento das suas florestas, mantendo 63% do seu território intacto. Portanto, Mato Grosso é campeão na redução do desmatamento, marca que o credenciou para recebimento dos recursos do Programa REM – projeto internacional que premia as jurisdições pioneiras na Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+).

Leia mais:  Empaer instala vitrine tecnológica no Parque de Exposições em Cuiabá

Em 2017, durante a Conferência do Clima realizada na cidade alemã de Bonn, foi assinado o acordo entre Mato Grosso e os governos da Alemanha e do Reino Unido possibilitando a destinação ao Estado de até 22 milhões de libras e 17 milhões de euros, cerca de R$ 180 milhões na moeda atual, em um período de cinco anos. Para receber os valores, que são gerenciados pelo Fundo Brasileiro da Biodiversidade, o estado de comprometeu a manter o desmatamento abaixo de 1788km².  

Outra frente de atuação mato-grossense para conter o desmatamento e valorizar a floresta em pé é o desenvolvimento de estratégias integradas para o Desenvolvimento Rural de Baixa Emissão (DBRE). De acordo com o Instituto Earth Innovation, de 39 jurisdições que abrigam florestas tropicais em seu território, Mato Grosso é a única que mantém uma ampla gama de iniciativas mais avançadas que abordam a produção agropecuária sustentável para propriedades de grande e pequeno porte.

Essas iniciativas estão todas elencadas dentro da Estratégia Produzir, Conservar e Incluir (PCI), lançada na COP 21 em Paris, que inclui 21 metas claras para aliar produção com conservação ambiental e inclusão social. Os marcos foram desenvolvidos por meio de processos participativos que incluíram atores de setores públicos, privados e sem fins lucrativos e buscam o desmatamento líquido zero em todo o estado e zerar emissões líquidas de carbono florestal até 2030, mantendo aproximadamente 6 gigatoneladas de CO2 fora da atmosfera, além de manter no mínimo 60% da cobertura vegetal nativa.

 

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
publicidade

Mato Grosso

PM apreende pasta base de cocaína em fundo falso de veículo

Publicado

Policiais Militares apreenderam 65 tabletes de pasta base de cocaína escondidos em um fundo falso de um veículo Kombi, na noite desta sexta-feira (20.09), em Santo Antônio de Leverger. O suspeito detido com entorpecente, confessou que comprou a droga na Bolívia e que a entregaria em Campo Grande no Mato Grosso do Sul.

O suspeito A.S. (31 anos), foi preso depois de ser abordado por policiais que realizavam rondas na MT-361, zona rural de Santo Antônio de Leverger. Durante a abordagem, os policiais suspeitaram do homem que aparentava nervosismo e encaminharam o suspeito e o veículo até a Base da PM no município de Barão de Melgaço. Para checagem e entrevista, a guarnição da PM contou o apoio de policiais da Força Tática e também do Grupo Especial de Fronteira (Gefron).

Na vistoria no veículo foram encontrados vestígios de silicone e tinta fresca em uma parte interna da kombi, e localizado um fundo falso que escondia 65 tabletes de pasta base de cocaína.

A.S. confessou à polícia que comprou a droga na Bolívia e que teria que entregar o entorpecente na cidade de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. A droga e o veículo foram apreendidos e o homem preso por tráfico de drogas.

Leia mais:  Alunos da UFMT visita Laboratório de Monitoramento da Qualidade Ambiental da Sema

Serviço

A sociedade pode contribuir com as ações da Polícia Militar de qualquer cidade do Estado, sem precisar se identificar, por meio do disque-denúncia 0800.65.3939. Nesse número, sem custo de ligação, qualquer cidadão pode informar situações suspeitas ou crimes. Exemplos: a presença de foragidos da Justiça com mandado de prisão em aberto e ponto de venda de droga.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Mato Grosso

Recuperação de nascente e plantio de mudas celebram dia da Árvore em Cuiabá

Publicado

Em comemoração ao Dia da Árvore, celebrado neste 21 de setembro, a secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT), por meio da Superintendência de Educação Ambiental, iniciou nesta sexta-feira (20.09) a recuperação de nascente localizada na área da escola Municipal de Educação Básica 12 de outubro, no Jardim Itamarati, em Cuiabá. No local também foram plantadas mudas de espécies nativas do cerrado.

A recuperação da nascente é um trabalho de extrema importância. “Temos aqui uma nascente que está bastante degradada e com a ação de diversos parceiros vamos conseguir recuperar. Nós, como cidadãos, temos que buscar a preservação da natureza. A escola está de parabéns por abrir as portas e buscar recuperar esta nascente tão necessária para a comunidade. Não adianta fazermos as melhores políticas públicas e a sociedade não participar”, destacou a Secretária Adjunta de Gestão Ambiental, Luciane Bertinatto.

Dezenas de alunos participaram do evento, com apresentações culturais, pondo a mão na terra para realizar o plantio e, claro, exaltando a importância das árvores. “A árvore é importante porque a semente fica no meio então tem água dentro dela, por isso ela cresce e fica linda”. “ A árvore é nosso oxigênio”. “A árvore faz a gente respirar, se não molhar ou se cortar a gente fica sem ar”, são algumas das frases ditas pelos pequenos estudantes entre 6 e 8 anos.

Leia mais:  Fapemat financia pesquisa que descobriu larvicida eficaz contra Aedes aegypti

A participação dos estudantes em uma ação que parece ser pequena, como o plantio de uma árvore e a recuperação de uma nascente, trará lembranças para a vida toda, exaltaram os participantes. “No futuro estas crianças poderão olhar as árvores e a nascente e entender a importância desta participação delas aqui hoje. É gratificante ver os órgãos ambientais se juntarem a sociedade para esta realização”, disse o representante do Projeto Verde Novo, do Juizado Volante Ambiental, Sérgio Savioli.

Entre os parceiros da Sema na ação está o Ministério Público de Mato Grosso, prefeitura de Cuiabá, 44º Batalhão de Infantaria Motorizado, Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental, Juizado Volante Ambiental (Juvam) e Instituto Ação Verde.

Vicente Falcão, do Instituto Ação Verde, exalta a parceria entre órgãos do Executivo e Judiciário para a realização do projeto. “Sem o envolvimento de todas estas instituições seria impossível. Mas não é só dever do poder público, a participação da sociedade garante que as sementes plantadas aqui hoje continuem sendo plantadas no dia a dia”.

Leia mais:  Meia maratona estimula atividades saudáveis e aproxima profissionais e população

O promotor de justiça Gerson Barbosa, que coordena o ‘Água para o Futuro’, explica que o objetivo do projeto é proteger as nascentes e que das identificadas até o momento, 78% estão degradadas. “É um momento muito sublime que vai ficar marcado na história dos participantes, pois estas pessoas estarão recuperando uma destas nascentes que estão degradadas. Sem água nada na vida acontece”.

Fonte: GOV MT
Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Política Nacional

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana