conecte-se conosco

Política Nacional

Mantega nega interferência no BNDES e chama Joesley Batista de mentiroso

Publicado


Guido Mantega
Michel Jesus/Câmara dos Deputados – 22.5.19

Ex-ministro da Fazenda, Guido Mantega participou da CPI do BNDES


O ex-ministro da Fazenda Guido Mantega voltou a negar, nesta quarta-feira, que tenha recebido propina e interferido em decisões do BNDES que liberaram empréstimos para a JBS. Mantega afirmou que o empresário Joesley Batista , que fez as acusações em delação premiada, mentiu sobre o tema. 

Leia também: CPI do BNDES aprova convocação dos marqueteiros João Santana e Mônica Moura

O ex-ministro afirmou que as operações entre o banco e a empresa foram baseadas em critérios técnicos e ressaltou que a JBS chegou a ter pleitos negados junto ao BNDES durante os governos do PT. Como contrapartida aos financiamentos, Joesley disse que depositou US$ 150 milhões em contas no exterior, sob a orientação de Mantega , para financiar despesas e campanhas eleitorais dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

Em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito ( CPI ) que investiga possíveis irregularidades no banco de fomento, o ex-ministro rebateu a versão apresentada pelo empresário à Procuradoria-Geral da República (PGR). Para Mantega, Joesley “inventou diálogos e situações” para conferir “veracidade à delação”.

Leia também: Cármen Lúcia nega à CPI do BNDES acesso a dados do celular de ex-diretor da JBS

Leia mais:  Congresso cobra diálogo de Bolsonaro com Alberto Fernández

“O que o Joesley está dizendo é mentira. Isso não ocorreu. E é fácil verificar as contradições em que ele mesmo se enreda. Ele nunca me passou nenhum tostão”, disse Mantega.

As contas no exterior citadas por Joesley também foram lembradas pelo ex-ministro Antonio Palocci, em depoimento em Brasília ao Ministério Público Federal (MPF), como revelou O GLOBO em fevereiro . Mantega disse que o empresário “inventou a história da conta” e colocou em dúvida o depoimento de Palocci, que será ouvido pelos parlamentares na semana que vem.

Leia também: MPF denuncia Joesley, Palocci, Mantega e mais 9 por prejuízo bilionário ao BNDES

“Agora você (deputado) vai me indispor com metade… Não sei se o ministro (Palocci) falou. O dia que eu tomar conhecimento disso, eu me manifesto. O que sei é que as delações do Palocci não eram aceitas na 13a região (vara), em Curitiba. Falava um monte de coisa e foi desqualificado, não aceitavam a delação. O que podemos deduzir disso? Qual a força, a fidedignidade da palavra do Palocci?”, afirmou Mantega, em referência ao fato de Palocci ter fechado o acordo de delação com a Polícia Federal, não com o Ministério Público.

Leia mais:  Moro diz que Congresso pode mudar decisão sobre prisão em segunda instância

O empresário narra que o contato com Mantega, em um primeiro momento, era feito por meio do empresário Victor Sandri. Depois, em 2009, Joesley teria estabelecido uma relação direta com o então ministro. No depoimento, Mantega afirmou que foi ao casamento do sócio da JBS, a um aniversário na casa dele, mas afirmou que negou diversos convites feitos para passar finais de semana em propriedades do empresário e disse que não havia intimidade entre eles.

“As operações que foram feitas beneficiaram sempre o BNDES. Sempre houve participação dura do banco, exigindo multas e garantias”.

Antes de comparecer à comissão, Mantega obteve uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que garantiu a ele o direito de depor como investigado, não como testemunha, ou seja, de não assinar um termo em que se comprometeria a dizer a verdade. O ex-ministro alegou que já foi denunciado pelo MPF por supostos prejuízos ao BNDES, por isso não poderia prestar esclarecimentos na condição de testemunha. Mantega também tinha o direito de ficar em silêncio, mas optou por responder as perguntas.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
publicidade

Política Nacional

Bolsonaro acusa Witzel de usar Polícia Civil para ‘destruir’ a sua família

Publicado

source
Bolsonaro arrow-options
Agência Brasil

Bolsonaro sugeriu que Witzel usa a morte da vereadora Marielle para prejudicá-lo

O presidente Jair Bolsonaro acusou o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), de usar “parte da Polícia Civil do Rio ” para tentar “destruir” a sua família e quem está do seu lado. A declaração foi feita durante evento de lançamento do novo partido, Aliança pelo Brasil, na manhã desta quinta-feira.

“Onde o Flávio ia, ele estava atrás. Acabadas as eleições, ele botou na cabeça que quer ser presidente da República. É um direito dele, de qualquer um de vocês, mas ele também botou na cabeça que tinha de destruir a reputação da família Bolsonaro. A minha vida virou um inferno depois das eleições do senhor Wilson Witzel, lamentavelmente. (Ele) Tenta destruir quem está do meu lado e a minha família a todo custo, usando a Polícia Civil do Rio de Janeiro, ou parte da Polícia Civil do Rio de Janeiro.

A colunista Bela Megale, Witzel afirmou que vai acionar Bolsonaro no Supremo Tribunal Federal (STF) devido às afirmações do presidente no lançamento do seu partido, hoje, em Brasília. O governador do Rio também disse que “quem não deve não teme”.

“Ele (Bolsonaro) está acusando um governador de manipular a polícia do seu Estado. A polícia do Rio é independente. Infelizmente, o senhor Jair Bolsonaro passou dos limites. Eu vou tomar providencias judiciais contra ele, vou iniciar uma ação penal para que ele responda pelos seus atos tentando me acusar de fatos que eu não pratiquei”, disse o governador.

Leia mais:  STF começa a julgar cumprimento de prisão após 2ª instância

Leia também: Bolsonaro anuncia 38 como número do Aliança pelo Brasil em referência a revólver

Em seu discurso, o presidente afirmou que contaria a história publicamente, depois de dizer, sorrindo, que tem “muito carinho pelo porteiro” do condomínio onde tem uma casa, na Barra da Tijuca, no Rio.

“Se não fosse o meu filho Flávio Bolsonaro, o governador Witzel não teria chegado ao governo do Estado”, declarou, sendo ovacionado pelo público, que gritava “traidor”, “canalha” e “vagabundo” em referência a Witzel.

O presidente reiterou que, antes da menção do porteiro a seu nome vir à tona, ele encontrou “sem querer” com Witzel em uma festa em Brasília e ouviu dele que o processo sobre a morte da vereadora Marielle Franco foi ao Supremo Tribunal Federal.

“Eu falei um palavrão, não vou falar aqui, [e perguntei] que processo é esse? “Ah, você foi citado no dia 14 de março do ano passado pelo porteiro como um dos possíveis executores. Foi na sua casa, no seu apartamento”. Eu moro, tenho uma casa ainda, na [avenida] Lúcio Costa, 3.100, casa 58. Eu perguntei para ele: “como é que você sabe disso, se o processo corre em segredo de Justiça?”. Primeiro xeque-mate nele”, declarou Bolsonaro.

Leia também: Witzel diz que vai processar Bolsonaro: “quem não deve, não teme”

Leia mais:  Com governo Bolsonaro, PT deve fazer alianças inéditas para eleições de 2020

O presidente disse então que já sabia das intenções do governador e de “como ele vinha manipulando esse processo”.

“E parece que não interessa para a esquerda chegar aos mandantes verdadeiros do crime. Interessa usar agora esse crime bárbaro, que todo nós repudiamos, para atingir a reputação de pessoas outras. Não deu certo com o porteiro. Por coincidência, na quarta-feira eu tinha botado o dedo no painel de votação em Brasília. Não estava lá. E se tivesse um plano, ia receber os assassinos na minha casa à noite? Porra, só um imbecil mesmo para programar o crime dessa maneira”, afirmou, provocando gargalhadas e aplausos.

Segundo Bolsonaro, Witzel tem “obsessão” de ser presidente da República e, segundo informações que recebeu, usa a faixa presidencial no seu gabinete. Para ele, o governador do Rio deveria “agradecer ao Flávio”, a ele e ao Carlos por sua eleição.

Leia também: Bolsonaro envia ao Congresso projeto que isenta militar de punição em operações

“Este é o trabalho, em parte, desse governador que tem a obsessão de ser presidente da República. Que, dizem alguns, no seu gabinete usa a faixa presidencial”, ironizou. “E aí faltou para ele aquilo o que eu falei no começo do pronunciamento: gratidão. Devia agradecer ao Flávio, a mim, ao povo, ao Carlos e trabalhar.”

O presidente defendeu ainda que Wizel deveria “esperar o seu momento”, citando como exemplo alguns parlamentares do PSL que, segundo ele, já saíram dizendo que serão “prefeitos de tal cidade”.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

Deputado é acusado de cuspir, xingar e agredir oficial de Justiça no Paraná

Publicado

source
Deputado Boca Aberta falando no plenário da Câmara dos Deputados arrow-options
Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Parlamentar teria xingado funcionário

O deputado federal Eduardo Petriv (PROS-PR), conhecido como Boca Aberta , conhecido como Boca Aberta, foi acusado de cuspir , xingar e agredir um oficial de Justiça na manhã desta quinta-feira (21) em Londrina, no Paraná. A informação é da Folha de S. Paulo e, de acordo com o jornal, o funcionário precisou ir até o parlamentar para entregar uma intimação de uma agressão anterior do parlamentar em Amauri Cardoso (PSDB), verador de Londrina.

O oficial registrou boletim de ocorrência e disse que Boca Aberta já tinha se recusado uma vez a receber a intimação. Segundo o relato do funcionário, ao se dirigir ao veículo, ele foi xingado e depois o deputado ainda o agredido. Após empurrar o oficial contra o carro, o parlamentar, segundo Corrêa, rasgou o mandado judicial e cuspiu em seu rosto. No boletim de ocorrência policial, os crimes apontados foram de injúria e desacato.

Leia também: Universitária é agredida com soco pelo ex na frente do filho recém-nascido

“Certifico que, embora sentindo muitas dores pelas agressões praticadas pelo réu, imediatamente deixou o local evitando ser linchado”, escreveu o oficial na certidão.

Leia mais:  “Planalto virou porto seguro de terroristas digitais”, acusa Alexandre Frota

Procurado, o deputado Boca Aberta negou as acusações e disse que nem foi encontrado pelo oficial de Justiça. Ele disse que ele teria ido à casa do irmão do parlamentar. “Ele tem uma pendência antiga comigo porque faz parte de um grupo político adversário na cidade”, disse.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Política Nacional

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana