conecte-se conosco

Economia

Mais de 11 milhões sacarão valores menores ou nada de FGTS por falta de depósito

Publicado

source

A liberação de novas condições de saque do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço ( FGTS ) acendeu o sinal de alerta para muitos trabalhadores sobre a regularidade dos depósitos feitos pelas empresas.

Leia também: Saiba como retirar o FGTS: Caixa divulga calendário para saques

FGTS arrow-options
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Trabalhadores podem consultar o saldo do FGTS a partir de aplicativos ou em agências da Caixa Econômica Federal

De acordo com a Procuradoria-Geral da Receita Nacional, 11,2 milhões de trabalhadores em todo o país sacarão valores menores do que os devidos ou nenhum dinheiro. O déficit atinge 11,6% do total de 96 milhões trabalhadores beneficiados pelos novos saques do Fundo de Garantia

Ao todo, são 226.057 empresas que estão devendo R$ 32,2 bilhões em depósitos do FGTS. A irregularidade poderá reduzir o saldo para os valores a serem retirados no saque emergencial , de até R$ 500 por conta vinculada, e o saque-aniversário , retirada anual de parte dos recursos a partir de abril de 2020, cuja opção impedirá o saque do saldo total, em caso de demissão sem justa causa (mantendo apenas a retirada da multa rescisória de 40% paga pelo empregador).

O atraso nas contribuições também impacta no rendimento do FGTS e na distribuição dos lucros aos trabalhadores.

Somente no Estado do Rio

No Estado do Rio, 28.881 empresas apresentam débitos, afetando 1,1 milhão de trabalhadores, o que corresponde a 12,8% do total de prejudicados em todo o país. A dívida chega a cerca de R$ 4,8 bilhões. Somente os 20 maiores devedores do Rio deixaram de depositar de R$ 824 milhões.

De acordo com a Procuradoria-Geral da Receita Nacional, entre os maiores devedores estão: a Varig, a Vasp, a Universidade Gama Filho, a TV Manchete e os Correios. A relação das empresas em dívida com FGTS pode ser consultada pelo site da procuradoria.

Leia mais:  Cansado de ligações? Anatel lança aplicativo para queixas contra operadoras

A Procuradoria-Geral da Receita Nacional é responsável pela inscrição em Dívida Ativa dos débitos para com Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e pela cobrança por meio de representações judicial e extrajudicial. Mas o percurso para o trabalhador reaver esses recursos pode se transformar em uma batalha judicial. Um dos grandes problemas é que muitas empresas já faliram.

Segundo dados do órgão, pelo menos 331 devedores que somam R$ 1,05 bilhão em atrasos atravessam processos de recuperação judicial. Outras 401 empresas em débito com as contribuições de R$ 2,7 bilhões do FGTS já decretaram falência.

Saiba como acompanhar seu saldo

Todos os empregadores são obrigados a depositar um valor correspondente a 8% do salário pago a cada trabalhador até o dia 7 de cada mês.

As empresas são obrigadas a comunicar mensalmente aos colaboradores os valores recolhidos de FGTS. Além disso, há canais, como o site oficial da Caixa , para o trabalhador monitorar essa movimentação .

Uma opção é o serviço de mensagem de texto oferecido pela Caixa Econômica Federal (CEF), gestora do Fundo. O extrato pode ser obtido em qualquer agência da Caixa. O empregado também pode receber o extrato do FGTS via Correios, a cada dois meses.

Ainda é possível instalar o aplicativo FGTS no celular, disponível para Android, iOS e Windows Phone, e consultar os depósitos a qualquer momento.

Outra alternativa é acompanhar extrato da conta de FGTS nas agências da Caixa. Para isso, é preciso apresentar a carteira de trabalho com o número do PIS.

Leia mais:  Partiu sacolão: tomate, batata e cebola puxam inflação para baixo em setembro

Leia também: Não quer saque emergencial do FGTS? Saiba cancelar crédito automático na Caixa

“O que não é depositado, o governo tenta cobrar. Mas se não consegue, é um problema do trabalhador, que, muitas vezes, só recebe por meio de uma ação trabalhista, e somente sobre os últimos cinco anos, pois em novembro de 2014 o Supremo Tribunal Federal (STF) reduziu a prescrição de 30 para 5 anos”, explica Mário Avelino, presidente Instituto Fundo de Garantia do Trabalhador, que lançou um aplicativo (Extrato do Fundo de Garantia Não Depositado), para permitir controlar os depósitos não realizados pelas empresas.

A plataforma apresenta o saldo atualizado mensalmente com juros e correção monetária, o crédito da distribuição de lucro devido sobre esses depósitos e o valor da multa de 40% ou 20% em caso de demissão sem justa causa ou por acordo.

O que fazer se a empresa não depositou o FGTS

Se, no momento da consulta de saldo disponível ou do saque do FGTS , o trabalhador verificar que o empregador não fez os repasses, a primeira providência é entrar em contato com a empresa e tentar um acordo. Caso não haja regularização, o funcionário pode denunciar a empresa nas Superintendências Regionais do Trabalho.

Nos casos em que a empresa não existe mais, o trabalhador pode ingressar com uma ação na Justiça do Trabalho.

Leia também: Optar por saque-aniversário do FGTS é abrir mão do recurso em caso de demissão

Para formalizar a denúncia, o beneficiário deve apresentar o extrato da conta vinculada que comprove a ausência de depósitos. A fiscalização do Trabalho poderá notificar a empresa e determinar que esta efetue os depósitos. A fonte de informações, reclamações ou denúncias não são reveladas pela auditoria fiscal do Trabalho.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
publicidade

Economia

Taurus assina acordo com grupo indiano para a produção de armas

Publicado

source
A companhia brasileira Taurus e a indiana Jundal Steel anunciaram nesta segunda-feira, em Nova Delhi, uma joint venture para produção de armas de pequeno porte no mercado indiano arrow-options
Reprodução

A companhia brasileira Taurus e a indiana Jundal Steel anunciaram nesta segunda-feira, em Nova Delhi, uma joint venture para produção de armas de pequeno porte no mercado indiano

A Taurus Armas, fabricante brasileira de armamentos, comunicou na manhã desta segunda-feira (27) que assinou acordo com a empresa indiana Jindal Group para produzir e vender armas no país asiático.

O acordo foi assinado durante viagem da comitiva do presidente Jair Bolsonaro à Índia, da qual participaram executivos da fabricante brasileira de São Leopoldo (RS).

China foi o principal destino das exportações paulistas em 2019

Segundo a Taurus, a Jindal terá 51% da joint-venture e a empresa brasileira terá 49%. A Jindal é uma das maiores siderúrgicas indianas, com faturamento superior a US$ 24 bilhões em 2019.

A joint venture criada irá implementar uma fábrica de armas na Índia, onde serão produzidos fuzis, pistolas e revólveres, para os mercados civis, de segurança pública e militar.

“A Taurus segue firme no processo de reestruturação baseado em rentabilidade sustentável, qualidade e melhora dos indicadores financeiros e operacionais, além do forte investimento no desenvolvimento de novos produtos e tecnologias”, acrescenta a companhia.

Leia mais:  60% dos trabalhadores já fizeram saque imediato do FGTS; ainda dá tempo de sacar

No Brasil, a Taurus emprega 2.100 pessoas e gera 5 mil empregos indiretos. A empresa também tem fábrica nos Estados Unidos. O Jindal Group tem faturamento de US$ 24 bilhões de 200 mil funcionários no mundo.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

China foi o principal destino das exportações paulistas em 2019

Publicado

source
 Em 2019, as exportações do Estado de São Paulo somaram US$ 48,36 bilhões (21,6% do total nacional) arrow-options
Luiz Fernando Martinez / Foto Arena

Em 2019, as exportações do Estado de São Paulo somaram US$ 48,36 bilhões (21,6% do total nacional)

Em 2019, as exportações do estado de São Paulo somaram US$ 48,36 bilhões (21,6% do total nacional) e as importações US$59,35 bilhões (33,5% do total nacional), registrando déficit de US$ 10,99 bilhões, informa a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio do Instituto de Economia Agrícola (IEA/Apta).

Brasil e Índia se comprometem a dobrar comércio bilateral até 2022

Em relação aos destinos das exportações do agronegócio paulista, a China (US$2,92 bilhões e 19,3% de participação) é o principal parceiro comercial de São Paulo, seguidos pela União Europeia (US$2,76 bilhões, 18,4%) e Estados Unidos (US$2,01 bilhões, 13,3%). Na sequência aparecem Arábia Saudita (2,7%), Bangladesh (2,3%), e Argélia, Japão e Coréia do Sul (2,2%).

O saldo do comércio exterior paulista seria mais deficitário se não contasse com o desempenho da agricultura. No ano passado, o agronegócio apresentou exportações de US$15,13 bilhões e importações de US$4,69 bilhões, resultando em um superávit de US$10,44 bilhões, afirmam José Alberto Angelo, Marli Mascarenhas Oliveira e Carlos Nabil Ghobril, pesquisadores do IEA.

Exportações brasileiras sofrem queda de 7,5% em 2019

No período analisado, os cinco principais grupos nas exportações do agronegócio foram: Complexo Sucroalcooleiro (US$4,07 bilhões, sendo que desse total o açúcar representou 76,9% e o álcool 23,1%), Carnes (US$2,25 bilhões, em que a carne bovina respondeu por 85,0%), Sucos (US$1,83 bilhão, dos quais 97,4% referentes a sucos de laranja), Produtos Florestais (US$1,68 bilhão, com participações de 57,7% de papel e 32,4% de celulose), e Complexo Soja (US$1,61 bilhão). Esses cinco agregados representaram 75,6% das vendas externas setoriais paulistas.

Leia mais:  Guedes diz que Reino Unido quer acordo de livre comércio urgente com Brasil

Desses grupos, o Sucroalcooleiro – primeiro lugar no ranking de vendas externas paulistas – apresentou resultados negativos devido à conjuntura mundial de maior produção nos últimos três anos, elevando o estoque global e diminuindo a cotação da commodity no mercado internacional.

O grupo Carnes, – segunda posição na pauta de exportação – apresentou avanços de 5,6% em valores e menor volume (-5,1%) em relação ao ano anterior, sendo que a carne bovina foi o produto de maior contribuição nesse resultado, com crescimento de 9,7% em valores e 1,8% em volume exportado, explicam os pesquisadores.

Para o grupo do Café, os resultados se mantiveram positivos entre 2018 e 2019, com destaque para o café verde com variação positiva de 10,7% em valores e de 35,2% em quantidades exportadas. Alguns produtos de grupos de menor expressão na pauta paulista vêm apresentando resultados bastante satisfatórios em seu desempenho, é o caso do algodão e do milho em grão, concluem os pesquisadores.

Balança Comercial do Brasil

A balança comercial brasileira registrou superávit de US$46,66bilhões, com exportações de US$224bilhões e importações de US$177,34 bilhões. Na análise setorial, as exportações do agronegócio alcançaram US$96,79 bilhões (43,2% do total nacional), enquanto as importações registraram US$13,77 bilhões (7,8% do total nacional), gerando um superávit do agronegócio foi de US$83,02 bilhões.

Leia mais:  Feirão do Serasa em novembro oferece até 98% de desconto nas dívidas e sem filas

Os cinco principais grupos nas exportações do agronegócio foram: Complexo Soja (US$32,63 bilhões), Carnes (US$16,52 bilhões), Produtos Florestais (US$12,90 bilhões), o grupo de Cereais, Farinhas e Preparações (US$8,13 bilhões, sendo 90% do milho em grão), e Complexo Sucroalcooleiro (US$6,26 bilhões). Esses cinco grupos agregados representaram 79% das vendas externas setoriais brasileiras.

Em relação aos destinos das exportações do agronegócio brasileiro, a liderança permanece com a China (US$31,01 bilhões e 32% de participação), seguida pela União Europeia (US$16,74 bilhões, 17,3%), Estados Unidos (US$7,18 bilhões, 7,4%), Japão (US$3,34 bilhões, 3,5%), Irã (US$2,21 bilhões, 2,3%) e Hong Kong (US$2,1 bilhões, 2,2%).

A participação paulista no total da balança comercial brasileira apontou valores de 21,6% nas exportações e de 33,5% de representatividade para as importações. Para o agronegócio, as exportações setoriais de São Paulo representaram 15,6% em relação ao agronegócio brasileiro, já as importações representaram 34,1% do total nacional.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Política Nacional

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana