conecte-se conosco

Economia

“Há destaques que podem destruir a reforma”, diz o relator Samuel Moreira

Publicado

O governo e líderes favoráveis à reforma da Previdência avaliam manter as regras atuais sobre o tempo de contribuição mínimo exigido para os homens. A intenção é manter o tempo mínimo de contribuição em 15 anos. A proposta enviada pelo governo e mantida pelo texto-base da reforma aprovada na Câmara , estabelece 20 anos de contribuição.

Leia também: Veja como cada deputado votou no texto-base da reforma da Previdência

Samuel Moreira%2C o relator da reforma da Previdência arrow-options
Divulgação

Samuel Moreira, o relator da reforma da Previdência

 O governo também havia sugerido subir o tempo mínimo de contribuição das mulheres para 20 anos. Durante a discussão da reforma na comissão especial, o tempo das mulheres já havia sido reduzido para 15 anos. Rodrigo Maia quer aprovar a proposta até esta sexta-feira .

Leia também: Após impasses, Câmara inicia sessão para votar destaques à reforma; acompanhe

Atualmente, quem se aposenta por idade aos 65 anos (homem) e 60 anos (mulher) já recolhe mais do que o mínimo. Em 2018, o tempo mínimo médio de contribuição dos homens foi de 22 anos e das mulheres, de quase 19 anos. Isso ocorre porque esses trabalhadores precisam atingir a idade exigida para requerer o benefício.

Leia mais:  Nova Previdência muda idade mínima e tempo de contribuição para a aposentadoria

A mudança faz parte do acordo que o governo está construindo para facilitar a conclusão da votação da reforma. Estão sendo estudadas alterações no texto-base por meio de destaques (votações separadas de trechos específicos).

Leia também: Rodrigo Maia quer concluir votação da reforma em dois turnos até sexta-feira

O governo e o presidente da Câmara tentam derrubar destaques da oposição que podem desidratar a reforma da Previdência. “Há destaques que podem destruir efetivamente a reforma”, disse o relator, Samuel Moreira (PSDB-SP).

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
publicidade

Economia

Disney diz que acusação de funcionários buscando comida no lixo é “exagero”

Publicado

IstoÉ Dinheiro

A Disney contestou as afirmações de uma das herdeiras do grupo, Abigail Disney, de que funcionários de um dos parques temáticos precisavam procurar comida no lixo para sobreviver . Em nota à CNN, um porta-voz do complexo de entretenimento disse que o relato da ativista social e cineasta é “um exagero grosseiro e injusto dos fatos”.

Disney arrow-options
shutterstock

Segundo a Disney, os funcionários da empresa recebem outros benefícios, como os que ajudam a pagar estudos

No início desta semana, a sobrinha-neta de Walt Disney afirmou ao Yahoo Notícias que esteve em um dos parques do grupo após receber uma mensagem de um dos trabalhadores do local e ficou chocada com o que viu. Segundo a mulher, funcionários afirmaram que precisavam buscar comida no lixo para sobreviver devido às condições de trabalho.

“Esse golpe amplamente divulgado é um exagero grosseiro e injusto dos fatos, que não é apenas uma deturpação, mas também um insulto aos milhares de funcionários que fazem parte da comunidade Disney”, afirmou o representante da companhia.

Leia mais:  Boeing Brasil – Commercial é anunciado como novo nome da Embraer na aviação

A Disney ainda disse que paga aos funcionários uma média de US$ 19,50 por hora, o dobro do salário mínimo exigido pelo governo dos Estados Unidos. A companhia também destacou um programa interno que custeia a educação em faculdades e outras instituições para os trabalhadores.

“Os homens e mulheres que fazem dos parques da Disney uma experiência tão especial para milhões de pessoas são dedicados, trabalhadores e orgulhosos, e continuaremos a ouvir, capacitar e recompensá-los”, afirmou a empresa.

Abigail é neta de Roy Disney, irmão de Walt, e que também teve participação na fundação do império de animações e parques temáticos, no início dos anos 1920. Apesar da ligação, ela não tem cargo ativo na companhia.

Em abril, ela criticou abertamente o salário de US$ 66 milhões do CEO da Disney , Bob Iger, classificando o pagamento como “insano” em comparação com a renda média da maioria dos trabalhadores dos parques e resorts do grupo.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Abono do PIS/Pasep começa a ser pago na próxima quinta-feira

Publicado

O pagamento do abono salarial do Programa de Integração Social (PIS) e do Patrimônio do Servidor Público (Pasep), exercício 2019/2020, começa na próxima quinta-feira (25).  De acordo com o governo, deverão ser destinados  R$ 19,3 bilhões para mais de 23,6 milhões de trabalhadores.

Leia também: Saque automático do FGTS em demissão sem justa causa pode acabar

Pessoas para receber o PIS/Pasep arrow-options
Fábio Rodrigues Pozzebom/Arquivo/Agência Brasil

Os saques do PIS/Pasep começam a ser liberados a partir da semana que vem

A liberação do dinheiro para os cadastrados no PIS/Pasep  seguirá alguns critérios para a ordem que será distribuida. Quem tem vínculo com o PIS vai considerar a data de nascimento e quem tem com o Pasep, o dígito final do número de inscrição.

Os trabalhadores que nasceram entre julho e dezembro receberão o abono do PIS ainda este ano. Já os nascidos entre janeiro e junho terão o recurso disponível para saque em 2020. Recebem também este ano os servidores públicos cadastrados no Pasep com dígito final do número de inscrição entre 0 e 4. Os com final entre 5 e 9 receberão no próximo ano.

Leia mais:  Brasileiros já pagaram R$ 800 bilhões em impostos em 2019; compare com 2018

A data para o fechamento do calendário de pagamento do exercício 2019/2020 está prevista para o dia 30 de julho de 2020. O pagamento do abono salarial referente ao PIS será feito pela Caixa em suas agências em todo o país; e o abono do Pasep será pago no Banco do Brasil.

Leia também: FGTS e PIS-Pasep podem levar R$ 63 bilhões para a economia, diz Paulo Guedes

Quem tem direito

Para ter direito ao abono salarial do PIS/Pasep é necessário ter trabalhado formalmente por pelo menos 30 dias em 2018, com remuneração média de até dois salários mínimos. Além disso, o trabalhador tem de estar inscrito no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos e ter tido seus dados informados corretamente pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

Para os trabalhadores que tiverem os dados declarados na Rais 2018 fora do prazo e entregues até 25 de setembro de 2019, o pagamento estará disponível a partir de 4 de novembro de 2019, conforme calendário de pagamento aprovado, e, após este prazo, somente no calendário seguinte.

Leia mais:  A composição preconceituosa da Câmara

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Política Nacional

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana