conecte-se conosco

Economia

Governo recua e planeja testes de seis meses a um ano para implantar ‘nova CPMF’

Publicado

source
Bolsonaro e Paulo Guedes arrow-options
Isac Nóbrega/Palácio do Planalto

Governo planeja período de testes de seis meses a um ano para implantar ‘nova CPMF’

O novo imposto nos moldes da antiga Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras (CPMF) que a equipe econômica pretende criar deve ter um teste de seis meses a um ano, em que vigorará com alíquota reduzida. A ideia dos técnicos é calibrar a capacidade de arrecadação do novo tributo para substituir, aos poucos, a contribuição sobre folha de pagamento, que financia a Previdência.

Leia também: Bolsonaro recua e diz estar disposto a ouvir Guedes sobre novo imposto

O novo tributo , que vem sendo chamado internamente apenas de contribuição previdenciária (CP), começaria com uma alíquota de aproximadamente 0,2%. Nesse patamar, seria possível cortar a alíquota do imposto sobre salários — recolhido por empregadores — de 20% para até 13%. A CP subiria gradativamente, até que sua arrecadação passe a ser suficiente para cobrir a desoneração total da folha. Nesse ponto, também seriam substituídos ao menos outros dois tributos: o IOF e a CSLL.

A informação sobre a alíquota inicial foi publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo e confirmada pelo GLOBO . O número, no entanto, ainda não está definido, informou uma fonte ao GLOBO . Também não há ainda informações sobre quando terminaria o período de transição até a desoneração completa da folha de pagamentos.

Leia mais:  Polícia fecha fábrica clandestina de Ferrari e Lamborghini em Santa Catarina

A criação de um imposto nos moldes da CPMF enfrenta forte resistência de parlamentares e até do próprio presidente Jair Bolsonaro (PSL). O chamado “imposto do cheque” vigorou entre 1997 e 2007 e se tornou impopular, principalmente por ter aumentado a carga tributária . Além disso, especialistas afirmam que o tributo geraria distorções por ser cumulativo: ou seja, seria cobrado em todas as etapas da cadeia de produção.

Para vencer essas resistências, a equipe econômica defende que o novo tributo não é uma simples reedição da CPMF, porque substituirá outro imposto. Portanto, não haveria aumento da carga. A equipe chefiada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, também aposta no argumento de que a nova contribuição será criada por uma causa nobre: incentivar a geração de empregos.

Leia também: Bolsonaro não descarta privatização da Petrobras: ‘Tudo o governo estuda’

Na última quarta, Guedes defendeu publicamente a criação da “nova CPMF” e disse que caberia à classe política decidir se adotaria o novo imposto. O relator da reforma tributária que tramita na Câmara dos Deputados, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) disse na semana passada que “CPMF não se discute” na Casa, assim como já garantiu Rodrigo Maia.

Leia mais:  Brasil está preparado para a crise da Argentina, diz presidente do Banco Central

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
publicidade

Economia

Preço do petróleo dispara e atinge maior alta desde a Guerra do Golfo

Publicado

source
Petróleo arrow-options
BBC

Alta no preço dos barris de petróleo foi de 20%

O preço do petróleo disparou nesta segunda-feira (16), em Londres, após os ataques do fim semana contra instalações petroleiras na Arábia Saudita . A ofensiva reduziu à metade a produção do maior exportador mundial de petróleo. Na abertura do mercado, a cotação do barril disparou quase 20% em Londres , chegando a quase US$ 72, a maior alta em uma sessão desde a Guerra do Golfo, em 1991.

Leia também: Novas regras da CNH entram em vigor nesta segunda-feira (16) e geram polêmica

Pouco tempo após a abertura, porém, a cotação do barril de petróleo do tipo Brent para entrega em novembro já havia cedido. Às 9h30m na capital londrina (6h30m de Brasília), era cotado a US$ 65,97. Mas ainda 9,52% acima do preço negociando na sexta-feira passada.

O Brent é uma referência internacional para os preços do petróleo, incluindo os contratos da Petrobras , no Brasil.

Ao mesmo tempo, o barril do petróleo leve americano (WTI, na sigla em inglês) para entrega em outubro subia 8,71%, a US$ 59,63 na Bolsa de Nova York.

No domingo (15), um dia após os ataques, o barril do tipo Brent disparou 19% , atingindo o maior nível desde maio, a US$ 71,95. O WTI subiu 15%, para US$ 63,34.

Na opinião de Ipek Ozkardeskaya, analista do London Capital Group, os ataques com drones de sábado, que provocaram incêndios na unidade saudita de Abqaiq, a maior do mundo dedicada ao processamento de petróleo, e na instalação de Jurais, são a “maior perturbação pontual da oferta de petróleo de toda a história”.

“O ataque anulou quase metade da produção saudita, ou seja, 5% da produção mundial, o que evidencia a vulnerabilidade destas infraestruturas aos ataques com drones”, destacou Craig Erlam, da corretora Oanda.

As autoridades sauditas anunciaram que os ataques não provocaram vítimas, mas não informaram quanto tempo será necessário para restabelecer plenamente a produção nas instalações. Analistas acreditam que seriam necessárias várias semanas para o país voltar à normalidade.

Os preços do petróleo estavam relativamente reduzidos nos últimos meses, uma consequência das reservas abundantes e dos temores de desaceleração da economia mundial, fatores que afetavam a demanda.

A Organização de Países Exportadores de Petróleo ( OPEP ) chegou a estabelecer limites de produção para tentar manter a faixa de preço. Mas os ataques demonstram a vulnerabilidade do país com maior capacidade de produção mundial, aponta o analista Amarpreet Singh, do Barclays, e inclui um elemento de risco geopolítico aos preços.

Leia mais:  Cotação dos grãos: café, milho e açúcar valorizam nesta sexta-feira

OPEP avalia situação do mercado

A  OPEP está avaliando o impacto dos ataques a refinarias sauditas no mercado petrolífero e considera que é muito cedo para que seus membros tomem medidas, como um aumento de produção ou uma reunião de emergência, disseram nesta segunda-feira o ministro de Energia dos Emirados Árabes Unidos ( EAU ) e outras fontes.

O ministro de Energia do EAU disse que seu país podia aumentar sua produção para enfrentar qualquer brecha no fornecimento de petróleo, mas que era muito cedo para convocar uma reunião de emergência da OPEP.

“Temos capacidade ociosa. Há volumes com os quais podemos lidar como uma reação imediata”, disse Suhail al-Mazrouei a jornalistas em Abu Dabi, acrescentando que, se a Arábia Saudita convocar uma reunião de emergência da OPEP, ”vamos avaliar”.

O secretário-geral da OPEP, Mohammad Barkindo, tratou do estado do mercado de petróleo nesta segunda-feira com o chefe da Agência Internacional de Energia (AIE), Fatih Birol. As duas autoridades expressaram alívio porque ”a situação ficou sob controle após as medidas tomadas pelas autoridades sauditas” e decidiram continuar observadno de perto o mercado, mantendo contato regular nos próximos dias, disse um fonte do bloco a Reuters.

No momento em que os estoques de petróleo são abundantes e na ausência de sinais de que haja algum déficit, a OPEP não tem realmente necessidade de discutir formalmente eventuais medidas de emergência, e segundo fontes do grupo, ”ainda é muito cedo para falar a respeito”.

De acordo com uma terceira fonte do grupo, o alcance de qualquer ação da Opep, com exceção da Arábia Sautida – para elevar o fornecimento é limitado. Riad é o principal produtor do bloco e administra boa parte da capacidade ociosa de bombeamento.  Ainda assim, outros membros da OPEP, como Emirados Árabes Unidos, Kuwait e Irã, têm capacidade de até 940 mil barris por dia.

China pede moderação

A China fez um apelo nesta segunda-feira a Irã e Estados Unidos para que demonstrem “moderação” após as acusações de Washington a Teerã pelos ataques contra as instalações do grupo estatal saudita Aramco. Os bombardeios foram reivindicados por rebeldes huthis do Iêmen, que enfrentam há cinco anos uma coalizão militar liderada pela Arábia Saudita e contam com o apoio do Irã .

Leia mais:  Oposição tenta derrubar sigilo da Previdência e pede que votação seja adiada

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou no domingo que estava disposto a responder aos ataques.

“Na ausência de uma investigação incontestável que permita tirar conclusões, talvez não seja sensato imaginar quem deve ser responsabilizado por este ataque. Pedimos às partes envolvidas que se abstenham de adotar medidas que levariam a uma escalada das tensões na região”, afirmou Hua Chunying, porta-voz do ministério das Relações Exteriores da China.

“Esperamos que as duas partes possam demonstrar moderação e, juntas, preservem a paz e a estabilidade no Oriente Médio”, completou Hua, cujo país é membro permanente do Conselho de Segurança da ONU.

A tensão entre Estados Unidos e Irã aumentou desde que Washington abandonou de maneira unilateral em 2018 o acordo internacional sobre o programa nuclear iraniano assinado em 2015.  O governo americano restabeleceu sanções econômicas contra Teerã.

Trump autorizou o uso das reservas estratégicas americanas de petróleo, se necessário, para compensar a queda de produção na Arábia Saudita.

No sábado, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, afirmou que não há provas de que o ataque tenha procedido do Iêmen, apontando diretamente para o Irã, e acrescentou que Washington “trabalhará” com seus parceiros para garantir o abastecimento.

Leia também: Receita libera pagamento do 4º lote de restituição do IR 2019 nesta segunda

O porta-voz do ministério iraniano das Relações Exteriores, Abbas Mussavi, respondeu no domingo que as acusações são “insensatas” e “incompreensíveis” e que só buscam justificar “futuras ações” contra o Irã.

O príncipe herdeiro saudita, Mohamed bin Salman, cujo país é o grande rival regional do Irã, assegurou que Riad está “disposto e capacitado” a responder a esta “agressão terrorista”.

“As tensões no Oriente Médio aumentam com rapidez, o que significa que este caso seguirá dando o que falar durante a semana, além do momento de pânico desta manhã nos mercados de petróleo “, destacou Jeffrey Halley, analista da Oanda.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Receita libera pagamento do 4º lote de restituição do IR 2019 nesta segunda

Publicado

source
IR 2019 arrow-options
Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Receita libera acesso ao 4° lote do IR 2019 nesta segunda-feira

A Receita Federal libera nesta segunda-feira (16) o pagamento do quarto lote de restituição do Imposto de Renda 2019. O crédito bancário será feito para 2.819.522 contribuintes, no valor total de R$3,5 bilhões. Segundo a Receita Federal, o dinheiro do IR 2019 será depositado nas contas dos contribuintes.

Leia também: Ciclista que teve braço jogado no rio ainda ganha dinheiro sobre duas rodas

O lote também contempla restituições residuais dos exercícios de 2008 a 2018. A consulta para saber se a declaração foi liberada poderá ser feita acessando a página da Receita na internet, pelo Receitafone 146, informando o CPF e a data de nascimento. Caso tenha entrado no lote do IR 2019 , a situação da declaração será “crédito enviado ao banco”.

Se o valor não foi creditado, o contribuinte deve ligar nos telefones 4004-0001 (capitais), 0800-729-0001 (demais localidades) ou ir a uma agência do Banco do Brasil para agendar o crédito em conta-corrente ou poupança, em seu nome, em qualquer banco.

Leia mais:  Gestão de Caffarelli no BB preparou o terreno; agora é hora de colher os frutos

Os lotes de restituição são liberados mensalmente. O Fisco libera os pagamentos por ordem de chegada da declaração. Isso significa que quem entregou a declaração mais cedo recebe a restituição primeiro. 

A restituição ficará disponível no banco durante um ano. Se o contribuinte não fizer o resgate nesse prazo, deverá requerê-la pela internet.

Leia também: “Acordei com saudade”, diz mãe de menino que gravou despedida, morto pelo pai

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Política Nacional

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana