conecte-se conosco

Política MT

Fávero vai a Sinop e garante acompanhar implantação de escola cívico-militar no município

Publicado

Foto: JOELMA PONTES

O deputado estadual Silvio Fávero, autor da Lei nº 10.922/2019  (Veja a ítegra aqui)  que facilita a implantação da escola cívico-militar compartilhada, nos municípios mato-grossenses esteve em Sinop nesta quinta-feira (28), em audiência pública, para debater a implantação de uma unidade de ensino nessa modalidade para o município, que há três anos tenta efetivar a escola que até hoje não saiu do papel.  Os municípios que contam com a escola militar são Cuiabá, Confresa, Juara, Sorriso, Nova Mutum, Lucas do Rio Verde e Rondonópolis e uma pelo Corpo de Bombeiro Militar, em Alta Floresta.

Na reunião, Fávero explicou que a lei foi criada com intuito de preservar e resgatar valores morais, perdidos com o tempo. Ele salientou ainda, que a escola militar não foi criada para competir com as escolas convencionais, mas para somar e auxiliar. “A proposta da escola militar é passar valores, hierarquia, disciplina principalmente. Bem o contrário do que vemos diretor por aí, relatos e matérias na imprensa de agressão de alunos contra professores. Isso vai acabar”, pontuou.

As explicações do parlamentar foram reforçadas pelo comandante-geral da Polícia Militar de Mato Grosso, coronel José Jonildo de Assis. Segundo o coronel, a escola militar executa um modelo próprio de administração das oito escolas que existem no estado e hoje é referência para outros estados. “Nosso intuito é, também, fazer com que nossas crianças e adolescentes se cobrem mais de si e apresentem bons resultados de suas disciplinas pedagógicas e na vida. Essa turma que está em salas de aula, é o futuro da nossa nação e estamos trabalhando para evoluir e ajudar na formação de bons cidadãos”, observou o coronel Assis.

Ainda de acordo com o coronel Assis, neste primeiro momento a ideia é implantar escolas nessa modalidade nos municípios onde tenham o batalhão da PM. O coronel também destacou a atuação da polícia militar, informando que são atendidas pela PM cerca de 6 mil crianças e adolescentes através das escolas e projetos sociais – voltados ao esporte –, cujo princípio é: Deus, família e a pátria através da hierarquia, disciplina e o civismo.

O requerente da audiência pública, vereador e professor Hedvaldo Costa, citou exemplo do Amazonas em que cem por cento dos alunos do alunos foram aprovados no Exame Nacional do ensino Médio (Enem). “O que queremos são alunos preparados para enfrentar a vida e preparados para enfrentar qualquer debate em sala de aula e ter ensino de qualidade, como um filho de juiz tem e a escola militar, tem essa capacidade em todos os aspectos”, defendeu o vereador.

Leia mais:  Russi cobra soluções para atendimentos suspensos em Regional e Santa Casa de Rondonópolis

Durante a discussão, Fávero ressaltou que a partir da sanção da lei cabe ao prefeito mostrar interesse pela implantação da escola compartilhada. Como exemplo, o parlamentar citou Primavera do Leste em que a prefeitura doou o terreno e comerciantes locais auxiliaram financeiramente na construção da escola. A medida, segundo o deputado, elimina uma série de exigências burocráticas previstas em lei anterior e facilita o acesso da população. “A lei facilita uma série de burocracias antes exigidas e, só não sairá do papel a partir de agora se o prefeito não quiser”, pontuou Fávero.

A lei prevê ainda que policiais da reserva poderão contribuir prestando serviços remunerados. Fávero também fez questão de deixar claro que, a implantação das escolas não cria possibilidade de demissão de professores, como tem sido questionado em todos os municípios por onde tem passado para falar sobre o assunto. Informou ainda, que a Capital será contemplada pelo governo federal, com um aporte financeiro de R$ 2 milhões para implantação de duas escolas na Capital.

“Não existe isso, pelo contrário, surgirá é mais oportunidade de ainda aumentar a renda do professor, uma vez que ele poderá dar aula em mais uma escola e não se sobrecarregar ou perder a vaga para outro profissional. A escola militar compartilhada é uma parceria entre Secretaria de Estado de Educação (Seduc)”, elucidou o deputado ao destacar também “que a escola militar vem para somar e transmitir valores primordiais que se perderam.

 A secretária municipal de Educação, Veridiana Pagnotti, alegou na audiência que há três anos a prefeitura tem buscado a implantação da escola militar sem lograr êxito. Segundo ela, foram oferecidos os espaços das escolas Lindolfo Trieweiller e Menino Jesus, para o modelo compartilhado, mas que até então não houve resposta do estado com relação ao pedido.

Leia mais:  Faissal apoia emenda que garante isenção para servidores inativos na Reforma da Previdência

Também presente, o responsável pela escola militar em Sorriso, Major Botelho, destacou a importância da implantação da unidade. “Estamos somando e contribuindo e empoderando os profissionais da educação no município de Sorriso  há cerca de quase  3 anos e influenciando os nossos alunos, positivamente, ao ensinar o significado da palavra respeito e a sua reciprocidade. Dentro de dois pilares  fundamentais: hierarquia e disciplina o que valoriza os nossos professores e cria-se então, um ambiente harmonioso e respeitoso”, observou o Major.

Representando a Ordem dos Advogados do Brasil – seccional Sinop, o advogado Cláudio Alves Pereira agradeceu o deputado Silvio pela inciativa e foi enfático ao destacar que o fato de Sinop até o momento não conseguir implantar a escola militar na cidade, revela a falta de liderança na cidade.  Cláudio ainda destacou que o país atravessa o seu pior momento e que em nada tem haver com crise financeira, mas moral.

“Faltava liderança, mas o deputado Silvio já assumiu esse posto e com certeza lutará por nossos interesses. Sinop merece e agradece. É possível ainda ter esperança em nosso país, quando vemos esse trabalho magnífico executado pela Polícia Militar. Mas, a minha felicidade é que conseguimos entender a falta que faz um a liderança em nossa sociedade. Liderança política, especialmente. Foi necessário trazer esse assunto à baila em Sinop, para que as coisas caminhem como deve ser”, observou Cláudio.

Participaram também, da audiência em Sinop, o deputado estadual Dilmar Dal Bosco, o coronel Wesley de Castro Sodré, comandante do 3º comando Regional de Sinop; Comandante Regional CBMMT, coronel Jovane; vereadores Luciano Chitolina e Ícaro;  pioneiros de Sinop: emerson Antonielli, Adriano Peroni, presidente do Sindicato Municipal de Sinop; lideres religiosos; Pastor Amarildo, Pastor Adelmo Américo, estudantes de Sinop, professores, comerciantes e comunidade.

Visita aos municípios – Desde a sanção da Lei nº 10.922/2019, o deputado Silvio Fávero tem percorrido os municípios que solicitaram o debate para a implantação da escola compartilhada cívico-militar. No dia 18 deste mês, o deputado esteve no município de Jangada. Já no dia 6 de dezembro, Fávero participará de uma audiência pública sobre o mesmo assunto, em Vila Rica (1.270 quilômetros de distância da Capital).

Fonte: ALMT
Comentários Facebook
publicidade

Política MT

Mesa Diretora lamenta falecimento de Benedito Botelho, pai do presidente da AL

Publicado

Foto: ARQUIVO PESSOAL / ALMT

A Assembleia Legislativa vem a público expressar sentimento de pesar e prestar condolências à família do presidente da Casa de Leis, deputado Eduardo Botelho, pelo falecimento do seu  pai, senhor Benedito Caetano Botelho, na manhã desta sexta-feira (17).

Seo Chinhô, como era conhecido, era natural de Livramento, completou 95 anos em setembro, e tratava de câncer há três anos. Ele deixou nove filhos e viúva, senhora Leopoldina Fontes Maia.

O velório está previsto para acontecer nesta sexta-feira (17), a partir das 16 horas, na funerária Capelas Jardins – em Cuiabá.

Fonte: ALMT
Comentários Facebook
Leia mais:  Simpósio da Dislexia encerra com a proposta de políticas públicas inclusivas
Continue lendo

Política MT

Ulysses Moraes encaminha requerimento de informação acerca de R$ 150 mil liquidados

Publicado

Foto: Ronaldo Mazza

O deputado estadual Ulysses Moraes (DC) encaminhou um requerimento de informação para que seja enviado ao chefe da Casa Civil do Estado de Mato Grosso acerca da liquidação e do suposto recebimento por parte do governador de maneira, de acordo com o parlamentar, que afronta os cofres públicos.

“Como compete ao parlamentar fiscalizar as ações ligadas ao estado de Mato Grosso, solicitei hoje durante a sessão, através de requerimento, todas as informações pertinentes à prestação de contas desta verba e porque ela não consta no Portal da Transparência, como dita a lei”, esclarece o parlamentar.

No requerimento, o deputado solicita a totalidade de gastos mensal com ajuda de custo e verba de representação junto ao gabinete do governador e qual a finalidade desta verba. Além disso, Ulysses requereu informações da prestação de contas dos valores mês a mês, a legalidade desta verba e qual a razão pela qual esta informação não conta nos Sistemas de controle de gastos do estado.

O montante está sendo classificado como ‘verba secreta’, já que está obstruído de consulta pública. Na data do documento consta o ano de 2019, mesmo ano em que o governador decretou estado de calamidade pública. 

Leia mais:  Russi cobra soluções para atendimentos suspensos em Regional e Santa Casa de Rondonópolis

Fonte: ALMT
Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Política Nacional

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana