conecte-se conosco

Esportes

Coluna – Dinheiro não traz felicidade

Publicado

source

Chegamos ao fim do ano com muita gente dizendo que o Flamengo conquistou o Campeonato Brasileiro e a Copa Libertadores porque recebe mais dinheiro da TV. Mas por que, até o ano passado, quando tivemos dois times paulistas – Corinthians e Palmeiras – se alternando na liderança do Brasileirão, isso não foi comentado? Nem quando o Grêmio ganhou a Libertadores, ou o Cruzeiro foi bicampeão da Copa do Brasil?

Vamos a alguns números? De 2006 a 2008, Corinthians, Flamengo, Palmeiras, São Paulo e Vasco ganhavam os mesmos R$ 21 milhões da TV. Valor que subiu para R$ 36 milhões até 2011. Naquele ano, o Clube dos 13 resolveu não renovar o contrato que mantinha com a TV Globo e abriu licitação. E a emissora, em vez de negociar um pacote, foi fechando acordos com os clubes individualmente, com interesses bilaterais. Corinthians e Flamengo passaram a receber R$ 110 milhões, o São Paulo, R$ 80 milhões, e Palmeiras e Vasco, R$ 70 milhões. E até 2018, respectivamente, R$ 170, R$ 110 e R$ 100 milhões.

Para 2019, tudo mudou, com a Globo tendo os direitos da TV aberta e do pay-per-view e dividindo com a Turner, na TV fechada. Do valor total da TV aberta, 40% foram divididos igualmente; 30% de acordo com a audiência; e 30% pela classificação no Brasileirão. O que causa impacto maior nas receitas é a divisão do PPV, que passou a ser de acordo com a torcida que cada equipe tem no país. O Flamengo recebe (em milhões), R$ 120; Corinthians, R$ 110; e Palmeiras, R$ 94.

Leia mais:  Na estreia de David Luiz, dupla de ataque funciona e Arsenal vence outra

O que não se leva em consideração são os outros valores que um clube fatura. E para isso, recorro a um estudo divulgado ano passado pela Área de Crédito do Itaú BBA. E nele a gente começa a ver que essa conversa de “espanholização” não cola por aqui. Ou, ao menos, não justifica o que se tem dito atualmente sobre os resultados rubro-negros.

Vamos comparar com alguns campeonatos europeus? De 2014 a 2019, a Alemanha e a Itália tiveram apenas um campeão nacional; França e Portugal tiveram dois; Espanha e Inglaterra, três; e o Brasil teve quatro. Desses quatro, Cruzeiro e Corinthians têm, na cota de TV, mais de 50% de seu faturamento anual; o Flamengo tem 41%; e o Palmeiras, apenas 28%. O que demonstra que esses dois últimos clubes têm boa distribuição na geração de receitas. Tais como receita de bilheteria, patrocínios, planos de sócio-torcedor e venda de jogadores, entre outros.

O estudo apresenta diversos outros números, comprovando que uma administração bem feita, com redução de custos operacionais e com pessoal e das dívidas, promove equilíbrio e permite a um clube investir em uma equipe forte e mais competitiva. Clubes que enxergam até onde podem ir e que traçam metas alcançáveis, sem extrapolar nas despesas, e que planejam a longo prazo estão mais próximas das conquistas.

Leia mais:  O monstro foi criado! Após profetizar sobre Neymar, Renê Simões lamenta polêmica

O dinheiro para investir, portanto, não é o que entra, mas sim o que sobra. E cuidar bem dele é a principal tarefa a ser cumprida. Se olharmos apenas a tabela do Brasileirão, veremos que nesse momento, depois do Flamengo, está o Santos, que não aparece entre os que ganham mais dinheiro; o Corinthians é apenas o oitavo colocado; e o Athletico Paranaense fura a fila dos mais ricos. Jogar o motivo de uma conquista unicamente nas verbas da TV – para manter a aparência de uma coluna econômica – é pobre de argumentação.

Edição: Verônica Dalcanal

Fonte: IG Esportes
Comentários Facebook
publicidade

Esportes

Coluna – Sobre a ingrata missão de tentar parar o rei do NBB

Publicado

source

Um dos patrocinadores do NBB distribui o prêmio “King of the Month” (em português, “Rei do Mês”) para o atleta que mais se destacou naquele período. Na atual temporada, até o momento, foram só dois prêmios. Ambos foram parar nas mãos do mesmo jogador: Georginho, armador do São Paulo. É difícil afirmar que o jogador de 23 anos seja uma unanimidade como o principal nome do momento, mas o que ele vem produzindo em quadra torna a tarefa de escolher um destaque para esse começo de campeonato bem menos complicada. Georginho traz consigo argumentos que vão além das ideias. Os números são os grandes aliados dele. 

Não são quaisquer números. O que Georginho vem fazendo não tem precedentes. O basquete é um esporte em que fica muito mais fácil quantificar grandeza, justamente pelo leque de estatísticas à disposição. O triplo-duplo (dois dígitos em três fundamentos diferentes) é talvez a representação do que há de mais difícil de fazer: empilhar números em categorias que exigem virtudes variadas, que muitas vezes estão relacionadas a tipos físicos muito distintos. Quem pensa e enxerga bem o jogo nem sempre tem a altura necessária para pegar muitos rebotes e vice-versa. Georginho vem tornando isso comum. Em apenas dez partidas, já registrou quatro triplos-duplos (todos com pontos, rebotes e assistências). Mesmo sendo armador, é o líder em rebotes do NBB, com média de 9,6 por partida. E poderíamos estar falando de uma sequência ainda mais impressionante. Nas últimas duas vezes que entrou em quadra, o jogador do São Paulo ficou a apenas uma assistência de registrar mais triplos-duplos.

Quando se conversa com quem tem a tarefa de frear o impacto de Georginho, fica evidente que esses números exorbitantes são explicados por outros números. Ele tem altura e envergadura incomuns para a posição de armador (1,97m de altura, 2,13m de envergadura). Também é forte (96 kg). O armador Ricardo Fischer, do Corinthians, apresenta o perfil físico de Georginho como um grande trunfo.

“Ele tem altura até de pivô. Isso facilita na hora de achar os passes mais facilmente. Quando ele encontra armadores com 20, 25 centímetros a menos que ele, é naturalmente mais fácil jogar a bola para o pivô. Hoje, o mais difícil para o armador é conseguir rebotes. Ele, com quase 2 metros de altura, não tem essa dificuldade”, opina Fischer.

Leia mais:  Após agredir jogador de 15 anos, fisiologista do Santos é demitido

Outros dados completam a figura. Quem está acostumado a acompanhar a NBA pode achar que um triplo-duplo não é um feito tão considerável, mas existem diferenças marcadas entre o jogo nos Estados Unidos e o que é praticado aqui. A principal é o ritmo que as equipes imprimem na partida, que produz mais posses de bola e, logicamente, mais oportunidades para registrar pontos, rebotes, assistências, roubos, tocos etc. Nas últimas cinco temporadas da liga norte-americana, esse aumento no ritmo fez o número de triplos-duplos saltar de 46 em 2014-15 para 127 na temporada passada. Na atual temporada, que não chegou ainda nem a um terço do caminho, já são 27. Por outro lado, nas doze edições da liga nacional disputadas até hoje, foram apenas oito – sem contar os de Georginho. 

“Se você olhar, na Europa também não é muito fácil conseguir esses números. Isso é mais comum nos Estados Unidos porque eles jogam muito em transição, com grande volume de jogo. Até os critérios para computar assistências também são diferentes. Aqui, o que ajuda o Georginho é que ele é muito versátil, justamente pela altura e envergadura. Mérito total dele”, afirma o ala Cauê Borges, do Botafogo.

Existe uma outra diferença bem simples de lá para cá. São oito minutos a menos (48 lá, 40 aqui). A duração menor do jogo no NBB é compensada pela presença constante do armador do São Paulo em quadra. Georginho é o jogador com maior média de minutos por partida em toda a liga, com 37:30. Ou seja, geralmente ele permanece no jogo 93% do tempo, um índice elevadíssimo. Para manter o nível alto mesmo com tanto desgaste, é preciso muito vigor. Georginho tem a favor dele a juventude, que inclusive pode permitir voos mais altos. É o que pensa o técnico Helinho Garcia, do Franca, ele próprio um ex-armador. Para Helinho, a razão para a dominância que tem sido vista é o período que o atleta passou fora do Brasil. Georginho começou a se destacar muito cedo e chamou a atenção de olheiros nos Estados Unidos quando tinha apenas 19 anos e jogava pelo Pinheiros. Inscreveu-se no draft de 2017, mas não foi escolhido. Porém, pouco depois o Houston Rockets deu uma oportunidade para o armador no time B da franquia, que disputa a G-League (Liga de Desenvolvimento). Georginho passou uma temporada jogando pelo Rio Grande Valley Vipers, sem muito destaque, e acabou retornando ao Brasil em 2018 para jogar no Paulistano.

Leia mais:  Santos é informado que Neymar pode ser vendido ao Real e torce por negócio

“Ele vem amadurecendo. Muita gente falou que esse período na G-League não foi bom para ele, mas ele voltou melhor. Domina os fundamentos do jogo, bate para dentro, cai no pivô, tem um leque de opções muito grande, além, é claro, da parte atlética. O lado mental dele também evoluiu muito. Eu particularmente acredito que em breve ele pode encontrar uma oportunidade na NBA”, destaca Helinho.

Quem também já começa a apostar fichas no jogador é o técnico da seleção brasileira, Aleksandar Petrovic. Recentemente, em um podcast da Confederação Brasileira de Basquete, o croata não só adiantou que Georginho estará nas próximas convocações como disse também que a presença dele não é surpresa, porque percebeu uma mudança de cabeça do jogador. Só o próprio Georginho pode dizer o que vem mais acima na hierarquia de metas dele, uma vaga na NBA ou o espaço na seleção. Para atingir esses objetivos, um bom caminho é manter o que vem fazendo. Pleitear a vaga de rei da principal competição do país fazendo o que ninguém achava que era possível.

Edição: Verônica Dalcanal

Fonte: IG Esportes
Comentários Facebook
Continue lendo

Esportes

Sada Cruzeiro bate Al Rayyan e vai às semifinais do Mundial de Clubes

Publicado

source

O Sada Cruzeiro deu mais um passo rumo ao quarto título no Mundial de Clubes. A vaga na semifinal foi garantida após a vitória, na noite de ontem (5), sobre o Al Rayyan, do Catar, por 3 sets a 0, na última rodada da fase classificatória, disputada no Ginásio Divino Braga, em Betim (MG).

Classificado em segundo lugar, o Sada Cruzeiro, único time brasileiro na competição, enfrenta na semifinal o Zenit Kazan, da Rússia, que derrotou de virada o italiano Lube Civitanova, por 3 sets a 2. A semifinal dos mineiros do Cruzeiro contra os russos do Zenit Kazan será amanhã (7), às 17h (horário de Brasília).

Jogo

A primeira parcial começou equilibrada e, por algumas vezes, o Al Rayyan até chegou a liderar o placar, mas a equipe mineira comandada pelo técnico Marcelo Mendez assumiu o controle do jogo e se distanciou no placar, até fechar o primeiro set por 25 a 20. Na parcial seguinte, mesmo com reservas, o Cruzeiro sobrou em quadra: ganhou por 25 a 16. A equipe seguiu motivada e também fechou fácil o terceiro e último set por 25 a 17, selando a vitória por 3 sets a 0.

Leia mais:  Polícia investiga torcida da Juventus e encontra armamento e peças neonazistas

As duas semifinais do Mundial de Clube acontecem amanhã. A primeira, às 14h, entre Lube Civitanova, da Itália, e Al Rayyan, do Catar. Na sequência, às 17h, o Cruzeiro encara o Zenit Kazan. A disputa da medalha de bronze e a final serão no domingo (8).

Edição: Guilherme Neto

Fonte: IG Esportes
Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Política Nacional

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana