conecte-se conosco

Política Nacional

Bolsonaro e filho Flávio saem do PSL para criação de novo partido

Publicado

source
Jair Bolsonaro com seus três filhos arrow-options
Rafael Carvalho/Governo de Transição/Divulgação

Jair Bolsonaro com seus três filhos

O presidente Jair Bolsonaro e um de seus filhos, o senador Flávio Bolsonaro , deixaram o PSL nesta terça-feira (12) para a criação de um novo partido. Bolsonaro confirmou sua saída em uma reunião com parlamentares. A ideia do presidente é apoiar a criação de um novo partido chamado  Aliança Pelo Brasil , mas ele ainda não se pronunciou oficialmente sobre a saída.

A expectativa é que em torno de 30 parlamentares acompanhem o presidente e a primeira reunião da futura legenda vai acontecer no próximo dia 21. As informações foram passadas pelos deputados Daniel Silveira (PSL-RJ) e Bia Kicis (PSL-DF), que participaram da reunião com Bolsonaro nesta tarde. Segundo Bia Kicis, Flávio já entregou inclusive o pedido de desfiliação ao Tribunal Superior Eleitoral.

Leia também: Saída de Bolsonaro pode reacender conversa de fusão entre PSL e DEM

A desfiliação de Bolsonaro e de Flávio ocorre após uma série de desentendimentos entre ele e o presidente do PSL, Luciano Bivar . No mês passado, Bolsonaro afirmou a um apoiador para “esquecer” o partido, acrescentando que Bivar estava “queimado para caramba” .

Leia mais:  “Dodge estava na fita, mas teve problema”, diz Bolsonaro sobre escolha para PGR

Sobre a ideia de criar um novo partido, o ministro do Supremo Tribunal Federal , Marco Aurélio Mello  criticou a quantidade de partidos existentes no Brasil , que hoje somam 32. Ele evitou comentar se daria tempo para haver coleta de assinaturas e para o TSE aprovar a criação de uma nova sigla em apenas seis meses.

“Resta saber se vai haver aprovação. Eu, quando estive na atuação no TSE, votei pela desaprovação dos últimos partidos. Creio que o Brasil já tem partidos em demasia. Ao invés de se buscar a correção do (uso do) fundo partidário, se busca a correção da forma, da vitrine”, disse.

Leia também: Bolsonaro oficializa saída do PSL e anuncia nome do partido que irá criar

Contando com uma possível debandada do partido, o presidente nacional do PSL,  Luciano Bivar , intensificou as conversas com dirigentes partidários no intuito de fundir a sigla a outra legenda. Além do DEM , do prefeito de Salvador, ACM Neto , Bivar já abriu diálogo também com representantes de outros dois partidos: o PROS e o PSC .

Leia mais:  Bolsonaro pede desculpas ao STF e diz que publicação de vídeo foi um ‘erro’

“Há um sentimento de agrupar partidos que tenham a mesma convergência de ideias e de pensamentos. Fico feliz com o interesse desses partidos, porque acho que conglomerar ideias para você se fortalecer é muito bom, melhor que fracionar. Estamos conversando entre si e (eles) sabem que o PSL não se opõe”, afirmou Luciano Bivar.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
publicidade

Política Nacional

O que é o “gabinete do ódio” que está na mira da CPI das Fake News

Publicado

source
Jair Bolsonaro e filho arrow-options
Rafael Carvalho/Governo de Transição

Grupo tem forte influência sobre as decisões do presidente

Ele fica no terceiro andar do Palácio do Planalto e agora está na mira da Comissão Parlamentar de Inquérito que investiga a disseminação de informações falsas na internet, a CPI das Fake News . Com forte influência nas opiniões do presidente Jair Bolsonaro, o ” gabinete do ódio ” é um grupo que produz relatórios diários para a presidência sobre os acontecimentos do Brasil e do mundo, coordena as redes sociais do Planalto e todo o planejamento de campanhas digitais do governo federal.

Defensor da pauta de costumes, o grupo é ligado ao vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (PSC), filho do presidente, e também conta com a participação dos assessores Tércio Arnaud Tomaz, José Matheus Sales Gomes, Mateus Matos Diniz e Filipe Martins, que cuida dos assuntos da área internacional do governo Bolsonaro.

O grupo funciona de uma forma independente dentro e não aceita nenhum tipo de interferência dos funcionários da Secretaria de Comunicação (Secom). O seu líder é Carlos Bolsonaro, que atua sob a inspiração do escritor Olavo de Carvalho, e várias vezes já convenceu Bolsonaro a adotar posições mais duras.

Leia mais:  Alcolumbre repudia fala de Eduardo Bolsonaro sobre AI-5: “Absurdo e lamentável”

Leia também: Bolsonaro omitiu comitê de campanha em declaração à Justiça Eleitoral

Uma dessas situações aconteceu no fim de julho, quando o presidente desistiu de receber o chanceler da França, Jean-Yves Le Drian e depois apareceu em uma transmissão ao vivo nas redes sociais cortando o cabelo.

Apesar dessa grande influência que o grupo tem na agenda de Bolsonaro, Flávio é um dos filhos que não vê com bons olhos a atuação mais extrema do grupo. Por conta disso, ele frequentemente pede que o pai deixe de dar tanta importância ao grupo.

Leia também: Carlos Bolsonaro pretendia cria uma Abin paralela, acusa Joice Hasselmann

Outro integrante do “gabinete do ódio” é Célio Faria Júnior, que Bolsonaro trouxe da Marinha e hoje é chefe da Assessoria Especial da Presidência. Completando o time está o assessor parlamentar Leonardo Rodrigues de Jesus, o Leo Índio. Ele é primo dos irmãos Bolsonaro, tem carta branca para entrar no Palácio do Planalto e atua como se fosse um “espião” do governo. 

Leia mais:  Lula e Freixo discutem unidade da esquerda em encontro

Em uma ocasião, Leo Índio já fez dossiês de “infiltrados e comunistas” nas estruturas do governo federal. 

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

“A sociedade nunca vai ficar satisfeita”, diz Maia sobre fundo eleitoral

Publicado

source
Rodrigo Maia arrow-options
Renato Costa / FramePhoto / Agência O Globo

Maia defendeu que congressistas não desejam tirar recursos de saúde

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) afirmou, nesta sexta (6), que “a sociedade não vai ficar satisfeita nunca, mas é preciso financiar a democracia”. A frase de Maia, dita à Folha de S. Paulo , se refere à proposta do Congresso de aumentar o fundo eleitoral de R$ 2 bilhões para R$ 3,8 bilhões para as eleições municipais do próximo ano.

Leia também:  Leia também: PM toca partes íntimas de mulher durante abordagem; veja vídeo

Maia afirmou que este é um tema polêmico e por isso os congressistas precisam mostrar que isso não afetará áreas fundamentais de orçamento público. Ele explicou que independente do orçamento estipulado para o fundo eleitoral, mesmo que continuasse o mesmo que o de 2018 (R$ 1,7 bilhão), os congressistas precisam mostrar de onde o recurso público estaria vindo.

Caso seja aprovado com o texto atual, serão realizados cortes em recursos de saúde, educação e infraestrutura para financiar o fundo eleitoral . “Está tirando recurso da saúde? O relator tem que vir a público e mostrar que não vai tirar recurso da saúde, não é? Porque certamente esse não é o objetivo de nenhum dos deputados e de nenhum dos senadores”.

Leia mais:  Doria diz que embate entre Carlos Bolsonaro e Mourão não ajuda o governo

Leia também: Homem é preso após arrancar cabeça de mulher e comer cérebro dela com arroz

“É óbvio que a prioridade do orçamento público tem que ser sempre o cidadão brasileiro”, defendeu o presidente da Câmara . Maia, no entanto, afirmou que a democracia precisa ser financiada com recursos públicos ou privado, utilizando isso como argumento para a necessidade do fundo eleitoral.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Política Nacional

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana