conecte-se conosco

Carros e Motos

Avaliação: VW T-Cross com três pedais é o mais divertido

Publicado

Motor Show

VW T-Cross branco arrow-options
Divulgação

VW T-Cross com câmbio manual parte de R$ 84.990 e garante uma tocada divertida ao volante para quem gosta de guiar

Após avaliar o novo VW T-Cross nas versões Comfortline 200 TSI ( confira aqui ) e Highline 250 TSI ( confira aqui ), chegou a hora de colocar à prova a configuração de entrada 200 TSI manual. Curioso que essa seja a única opção com o terceiro pedal, como se escolher esse tipo de transmissão fosse uma questão só econômica. Tudo bem que quase não se vende SUVs manuais, mas por que quem gosta de trocar marchas – pela diversão e prazer ao volante – não pode ter acesso a versões mais completas?

LEIA MAIS: VW T-Cross Comfortline 2019: como anda a versão com motor 1.0 turbo?

Tudo bem que, com preços sugeridos que partem de R$ 84.990, não se trata de uma versão pelada. Entre os itens de série estão seis airbags, assistente de partida em rampa, lanternas de LED, faróis com iluminação de curvas, controles de tração/estabilidade e bloqueio eletrônico do diferencial. O único opcional é o pacote Interactive I (R$ 1.720), que adiciona multimídia com tela tátil de 6,5”, sensores de estacionamento dianteiro/traseiro e câmera de ré, app-connect e seis alto falantes. Completinho, esse VW T-Cross custa R$ 86.710 (pintura sólida) ou R$ 88.600 (cor metalizada).

Feito na plataforma modular MQB A0, a mesma do Polo e do Virtus, o utilitário esportivo da Volks desliza no acabamento interno, principalmente pelo uso excessivo de plásticos rígidos, inclusive com algumas peças exibindo rebarbas nas suas extremidades. Apesar disso, há pontos bastante positivos na posição de dirigir, na ergonomia e na visibilidade. O entre-eixos é 8,6 cm maior que o do Polo – e superior aos de Jeep Renegade , Honda HR-V e Ford EcoSport.

Sob o capô, quem brilha é o motor tricilíndrico 1.0 turbo associado ao câmbio manual de seis marchas. Para tirar o SUV da imobilidade com muita agilidade, basta esticar a primeira pouco acima de 2.000 rpm e, de imediato, você sentirá o corpo sendo pressionado contra o encosto do banco. Depois de embalado, é possível fazer todas as trocas de marcha a apenas 2.000 rpm. Vindo de terceira, ao enfrentar uma lombada ou valeta não é preciso reduzir; o T-Cross retoma rapidamente o fôlego.

Interior do VW T-Cross arrow-options
Divulgação

Interior tem acabamento mais despojado, com bancos de tecido simples e volante sem revestimento

A boa dose de força em baixos giros permite dirigir sem muitas reduções, e os engates da alavanca de câmbio são curtos e justos. O pedal da embreagem é leve, enquanto o do freio tem acionamento progressivo – não é “borrachudo” como os dos antigos Gol, Voyage e Saveiro. Com boa desenvoltura, o T-Cross manual nos permitiu cravar médias urbanas de 9,5 km/l – com congestionamentos pesados. Na estrada, a incidência de vento é baixa e, dirigindo calmamente a 120 km/h, o SUV indicou um consumo médio de mais de 19 km/l (!), sempre com gasolina.

Leia mais:  Novos carros elétricos da Ford vão usar a plataforma MEB da Volkswagen


LEIA MAIS: Jeep Renegade x VW T-Cross:  novato chega ditando novos paradigmas

As suspensões ficam no meio termo entre a firmeza e a maciez. Aliás, a dirigibilidade do SUV fica próxima da vista em hatches médios. Nas curvas, aponta a dianteira com precisão e inclina pouco a carroceria. O VW T-Cross 200 TSI manual é um SUV para quem curte uma condução pura, com muita diversão ao volante. Agora, se você faz questão da transmissão automática, é preciso pagar mais: o 200 TSI automático parte de R$ 94.490, chegando a R$ 97.970 completo – praticamente o valor do Comfortline 200 TSI (R$ 99.990).


Ficha técnica:

Volkswagen T-Cross 200 TSI

Preço básico: R$ 84.990
Carro avaliado: R$ 88.600
Motor: três cilindros em linha 1.0, 12V, comando variável, turbo, injeção direta
Cilindrada: 999 cm³
Combustível: flex
Potência: 116 cv a 5.500 rpm (g) e 128 cv a 5.500 rpm (e)
Torque: 20,4 kgfm a 2.000 rpm (g/e)
Câmbio: manual, seis marchas
Direção: elétrica
Suspensões: MacPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: disco ventilados (d) e discos sólidos (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,199 m (c), 1,760 m (l), 1,568 m (a)
Entre-eixos: 2,651 m
Pneus: 205/60 R16
Porta-malas: 373 a 420 litros
Tanque: 52 litros
Peso: 1.215 kg
0-100 km/h: 9s6
Velocidade máxima: 189 km/h
Consumo cidade: 12,2 km/l (g) e 8,5 km/l (e)
Consumo estrada: 14,5 km/l (g) e 10,1 km/l (e)
Emissão de CO²: 107 g/km
Nota do Inmetro: B*
Classificação na categoria: B (SUV compacto)*

*dados estimados

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
publicidade

Carros e Motos

Porsche Cayenne é para quem procura tecnologia ou status?

Publicado

Tem gente que paga mais de 430 mil reais para um carro de entrada em seu modelo. É o caso do Porsche Cayenne. E esse tipo de carro só é vendido pelo status que dá ao seu proprietário. Quem compra quer mais é aparecer, sendo que no mercado brasileiro tem muitos outros modelos, do mesmo segmento, que custam bem abaixo disso e oferecem mais que o Porsche Cayenne.

LEIA MAIS: Fiat comemora 62 anos do emblemático 500 e relembra a Dolce Vitta

No Brasil os concorrentes do Porsche Cayenne 2019 são os SUVs premium como BMW X5 e X6, Mercedes Benz GLE, Land Rover Range Rover e Volvo XC90. Mas um concorrente de peso acaba de chegar, é o Ford Edge ST , que entrega muito mais que o modelo alemão por menos de R$ 300 mil. O Cayenne 2019 que é vendido hoje no Brasil, é um SUV de alto luxo.

Em se tratando de preço o Porsche Cayenne 2019 custa R$ 423 mil na versão de entrada, mas se o cliente preferir é possível adquirir a versão Cayenne S por R$ 523 mil ou ainda o Porsche Cayenne Turbo que é a configuração topo de linha ao preço de R$ 733 mil.

Leia mais:  Novos carros elétricos da Ford vão usar a plataforma MEB da Volkswagen

A nova geração do Cayenne traz muitas novidades, como motores mais fortes e mais rápidos, suspensão ainda mais equilibrada e que, ao lado de um novo chassi, promove uma experiência única de dirigibilidade e esportividade a bordo.

Cayenne arrow-options
Divulgação

O novo Porsche Cayenne mantém várias das características que o consagrou entre os SUVs premium

O Porsche Cayenne na linha 2019 é maior que a versão anterior. Essa geração privilegia ainda mais o espaço interno tanto na parte frontal como nos assentos traseiros.

Na mecânica, o SUV chega com motores V6 3.0 Turbo de 340 cavalos e capacidade para ir de 0 a 100 km/h em 6,2 segundos. O Cayenne S tem motor V6 2.9 Turbo de 440 cavalos que permite fazer o mesmo trecho em 5,2 segundos. Por fim, o Cayenne Turbo tem um V8 4.0 Biturbo com 550 cavalos e faz também em 4,1 segundos.

LEIA MAIS: Peugeot 2008 ganha a cara dos irmãos maiores, apenas com câmbio automático

Por dentro, o ambiente do SUV esportivo é dotado de cluster digital configurável com duas telas de 7 polegadas com conta-giros analógico, além da multimídia Porsche Communication Management com tela de 12,3 polegadas. O Porsche Cayenne tem ainda estacionamento automático com visão de 360 graus e visor térmico noturno.

Leia mais:  Jetta encosta no Cruze. Será que finalmente teremos brigaentre os sedãs?

LEIA MAIS: A briga vai esquentar entre concessionários e a Ford Caminhões

Outro aspecto tecnológico do Porsche Cayenne 2019 é o controle dinâmico do chassi Porsche 4D Chassis Control, eixo traseiro direcional, suspensão a ar adaptável com três câmaras pneumáticas, sistema elétrico de 48 volts e controle anti-rolagem da carroceria.

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
Continue lendo

Carros e Motos

Conheça 5 novos micos do mercado que você não deve comprar em 2019

Publicado

Quem pretende comprar carro novo em 2019 precisa tomar cuidado para não cair em um dos micos do mercado. São modelos que não fazem muito sentido, podem desvalorizar muito e trazer  dores de cabeça. Para dar um refresco na hora de adquirir o seu carro novo, a reportagem do iG elege os cinco principais micos de mercado que devem ser evitados.

LEIA MAIS: Conheça os 5 carros mais procurados para compra na internet

1 – Fiat Mobi 1.0 GSR

Fiat Mobi arrow-options
Divulgação

Iniciamos a lista dos micos de mercado com a versão que menos gostamos do Fiat Mobi, a GSR, com câmbio automatizado

Entre todas as versões do Mobi que a Fiat disponibiliza na sua linha, o modelo GSR é o mais tortuoso de rodar. O câmbio automatizado é confuso, e parece não entender as reais intenções do motorista. Em uma subida, por exemplo, o subcompacto tarda a reduzir as marchas e passa a impressão de falta de fôlego entre os micos de mercado . Aliás, o subcompacto é um dos únicos automatizados que sobraram hoje em dia. 

O motor 1.0 de apenas 77 cv de potência e 10,9 kgfm de torque também não ajuda a vida do citycar fabricado em Betim (MG). De acordo com a fabricante, ele vai de 0 a 100 km/h em eternos 13,9 segundos, mas pode marcar bons números de consumo: 9,8 km/l na cidade e 11,1 km/l na estrada com etanol, e 14 km/l na cidade e 15,9 km/l na estrada com gasolina.

2 – VW Saveiro 1.6 Robust CD

Já imaginou comprar um carro sem direção hidráulica e ar-condicionado em 2019, ainda mais desembolsando R$ 53 mil? Isso é possível, caso você queira levar uma Saveiro Robust básica para a sua garagem. Nesse patamar de preço, fica complicada a ausência desses equipamentos essenciais. 

LEIA MAIS: Conheça 5 SUVs seminovos com até três anos de uso por R$ 60 mil

Sabemos que o propósito da Saveiro Robust é servir ao trabalho logístico. Dificilmente um consumidor convencional compraria o modelo para o dia a dia, mas a picape ainda está disponível para todos. Ela integra o motor 1.6, de 104 cv e 15,6 kgfm de torque, sempre com câmbio manual de cinco marchas. A versão com cabine simples (R$ 53.150) tem capacidade para 940 litros, enquanto a cabine dupla (R$ 66.240) pode levar 580 litros.

3 – Ford EcoSport Run Flat

EcoSport arrow-options
Divulgação

O Ford EcoSport perdeu o estepe em sua linha 2020. Os pneus run flat são bem mais caros que os convencionais

A maioria dos brasileiros coloca a estética antes da usabilidade, e isso fez a Ford tirar o estepe da traseira do EcoSport e acrescentar um kit de reparo e pneus run flat em sua linha 2020. Caso o pneu fure, o proprietário poderá percorrer no máximo 200 km, a velocidade não superior de 80 km/h. Trata-se de uma medida emergencial, para que o motorista não seja obrigado a parar o EcoSport em uma via perigosa para trocar o pneu.

Os consumidores, entretanto, ficaram receosos com a inovação. Por conta da ausência do estepe, o cliente poderá equipá-lo apenas com pneus do tipo run flat – que são bem mais caros que os convencionais. Além disso, substituir os pneus por modelos convencionais é proibido no caso do EcoSport, que não pode rodar sem estepe e pneus convencionais por que não foi homologado assim.  

Leia mais:  Volkswagen mostra conceito de novo SUV durante o Salão de Xangai

4 – Renault Captur 2.0 AT4

Renault Captur arrow-options
Divulgação

O Renault Captur 2.0 continua aparecendo no site da fabricante francesa mesmo sem fazer parte da linha 2020

Um carro só sai de linha quando deixa de ser oferecido, e o Captur com primitivo câmbio automático de apenas quatro marchas continua no site da Renault. Isso significa que algumas concessionárias ainda contam com esta versão no estoque. 

O casamento entre o motor 2.0 de 148 cv de potência e 20,9 kgfm a 4.000 rpm com o câmbio automático de apenas quatro marchas é tumultuado, com trocas muito confusas. O porta-malas é bom, com 437 litros de capacidade, mas sugerimos que você considere os rivais Honda HR-V e Ford EcoSport. Ou as versões 1.6 com câmbio automático CVT. 

5 – Chevrolet Cobalt Elite

Chevrolet Cobalt arrow-options
Divulgação

A versão Elite do sedã Cobalt já não faz mais parte da linha 2020 para abrir espaço para o Onix Sedan

 O sedã  Cobalt tem lá suas qualidades. No geral, é um carro espaçoso, confortável e de mecânica bem acertada. A Chevrolet, por outro lado, ainda oferece as últimas unidades da versão Elite de 2019 em seu site. Mas apostar no modelo top de linha pode não ser uma atitude das mais inteligentes, uma vez que já iniciamos a contagem regressiva para a chegada do Onix Sedan, que chega em outubro próximo. 

LEIA MAIS: Veja os 5 lançamentos que mais gostamos de dirigir na primeira metade de 2019

Neste cenário, adquirir uma das últimas unidades do Cobalt Elite perde o seu propósito. O modelo tem motor 1.8, de 111 cv de potência e 17,7 kgfm de torque, aliado ao câmbio automático de seis marchas (o mesmo que equipou a antiga geração do Cruze). Para acelerar de 0  a 100 km/h o sedã precisa de 10,5 segundos entre os micos de mercado , conforme a fabricante.

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Política Nacional

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana