conecte-se conosco

Política Nacional

Assembleia Legislativa de São Paulo aprova extinção da Dersa

Publicado

source
DErsa arrow-options
Reprodução/Dersa

Votação foi finalizada com 64 votos a favor da extinção e apenas 15 contrários

A Assembleia Legislativa de São Paulo aprovou nesta terça-feira (10) a extinção da Empresa de Desenvolvimento Rodoviário S/A (Dersa) por 64 votos a favor e 15 contra, além de duas abstenções. Gestores do órgão estiveram envolvidos em casos de corrupção nos governos do PSDB em obras viárias e do Rodoanel.

Leia também: Em agenda com líderes no Senado, indicado à PGR busca afinar discurso

O Projeto de Lei 727/2019, aprovado pela Alesp, é de autoria do governador João Doria. Agora o texto segue para o gabinete do governador para sanção ou veto. Esta era uma das prioridades de Doria, que teve como primeira medida de seu mandato, no dia 1º de janeiro deste ano, a assinatura de um projeto de lei que permitia ao governo do estado extinguir, fundir ou incorporar diversas empresas estatais, incluindo a Dersa . No entanto, a Dersa foi retirada da pauta e voltou a ser discutida no segundo semestre.

A deputada Carla Morando (PSDB), que foi favorável à aprovação do texto, disse que “a Dersa foi muito boa enquanto ela existiu, mas agora é um novo modelo, que são as concessões”, segundo publicou a Alesp .

Leia mais:  Após negar PT, Marina Silva se reúne com Boulos por ‘unidade pela democracia’

Leia também: Sem grana? 6 ideias para ganhar dinheiro de forma rápida e fácil

Para o deputado Carlos Giannazi (PSOL), contrário à extinção, esse projeto significa a entrega de um patrimônio público importante em um momento em que a Dersa está sendo investigada. “Nós queremos instaurar a CPI, então é um absurdo privatizar justamente agora”.

*Com informações da Assembleia Legislativa de São Paulo

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
publicidade

Política Nacional

Defesa não quer autorizar participação do filho de Flordelis em reconstituição

Publicado

source
Flávio Rodrigues arrow-options
Cléber Mendes /Agência O DIA

Flávio Rodrigues no dia em que foi detido, quando o pastor Anderson do Carmo era sepultado

Os advogados de defesa de Flavio Rodrigues dos Santos, filho da deputada Flordelis dos Santos(PSD-RJ), informaram nesta segunda-feira (16) que não devem autorizar a participação de seu cliente na reprodução simulada do assassinato do pastor Anderson do Carmo , marcada para o próximo sábado. Flavio e o irmão adotivo Lucas dos Santos foram indiciados pela morte do pai.

Leia também: Início das adoções e ‘outros amores’: investigação mira o passado de Flordelis

Flavio confessou que matou o padrasto ao atirar seis vezes contra ele. A defesa contesta o depoimento prestado pelo filho de Flordelis e alega que ele só vai se manifestar em juízo.

A morte do líder religioso completou três meses nesta segunda e a parlamentar se manifestou nas redes sociais . “Já se passaram 3 meses que você se foi, meu amor. Que saudade! Cadê você aqui para me proteger nesse momento difícil? Você sempre foi meu guardião! Eu prometo que vou dar continuidade ao seu legado aqui na terra. Te amo, Niel!”

Leia mais:  Rede vai à Justiça contra decisão de Moro que autoriza tropas na Esplanada

A delegada Bárbara Lomba marcou para as 21 horas do próximo dia 21 de setembro a reconstituição do assassinato do pastor . Na última sexta-feira a polícia intimou Flordelis a participar da reprodução.

Leia também: Flordelis reforça inocência e dispara: “pessoas usam minha dor para se promover”

Anderson do Carmo foi morto na madrugada do dia 16 de junho na garagem de casa, em Pendotiba, Niterói, na Região Metropolitana do Rio. A Polícia Civil está na segunda fase das investigações. A polícia tenta identificar a participação de outras pessoas no crime. Na primeira parte do inquérito, dois filhos de Flordelis foram presos.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Política Nacional

Bolsonaro recebe alta e deixa hospital em São Paulo rumo a Brasília

Publicado

source
Bolsonaro arrow-options
Alan Santos/PR – 7.9.19

Bolsonaro durante festa desfile do 7 de setembro

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) teve alta e deixou o hospital Vila Nova Star, em São Paulo, por volta das 15h desta segunda-feira (16). O presidente se internou na unidade hospitalar, localizada na Vila Nova Conceição, no dia 7 de setembro e foi submetido no dia seguinte à cirurgia para correção de uma hérnia incisional.

Leia também: Frota pede desculpas a Ciro Gomes e diz que ele “tinha razão sobre Bolsonaro”

Minutos antes de deixar o hospital, o advogado Frederick Wassef deixou o local em uma BMW branca sem placas — o criminalista defende o filho mais velho de Bolsonaro , senador Flavio Bolsonaro, em investigação que apura suspeitas de lavagem de dinheiro e que está paralisada por decisão liminar do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli.

Conforme apurou a reportagem, Wassef visitou o presidente e conversou com ele por cerca de 20 minutos no início da tarde. Bolsonaro volta nesta segunda-feira a Brasília, mas só retomará o cargo na quarta-feira. Até lá, o vice Hamilton Mourão segue como presidente em exercício.

O governo também decidiu adiar em um dia a viagem para Nova York , onde o presidente fará o discurso de abertura da Assembleia Geral das Nações Unidas no próximo dia 24. Anteriormente, o planejamento previa que a viagem fosse feita no dia 22.

Segundo o médico Antônio Antonietto, diretor do Hospital Vila Nova Star, o presidente permanecerá com uma dieta cremosa — semelhante a alimentos para bebês, que não exigem mastigação.

Leia mais:  Dono do Grupo Petrópolis se apresenta à Polícia Federal após cinco dias foragido

“O presidente veio com uma melhora progressiva, foi aceitando a alimentação oral. A alimentação parenteral endovenosa também foi retirada. Os cuidados agora devem permanecer quando ele sair do hospital”, disse Antonietto.

Na sexta-feira, o presidente deverá ser novamente reavaliado pela equipe do gastroenterologista Antônio Luiz Macedo, em outra unidade da Rede D’Or em Brasília.

Para o médico Antônio Luiz Macedo, não deve existir nenhuma limitação tanto para a viagem quanto para o discurso que o presidente fará nos Estados Unidos. A ideia do médico é autorizar o presidente a retornar a dieta comum após o exame que fará em Brasília nesta sexta-feira. Nos próximos dias, Macedo disse que é recomendável que o presidente não faça muito esforço, inclusive para falar.

“Se Deus quiser, daqui a oito dias ele pode fazer discurso à vontade”, afirmou.

Leia também: Indicado à PGR por Bolsonaro, Aras promete portas abertas à oposição

Além da recomendação para repouso, o presidente deverá continuar com caminhadas nos próximos dias para auxiliar a retomada dos movimentos intestinais. Bolsonaro tem caminhado nos corredores do hospital nos últimos dias e, no domingo, andou cerca de 3 km somadas as diversas caminhadas durante o dia.

“Ele está com a dieta cremosa como consideramos adequado para ele. Nos pareceu perigoso evoluir já para uma dieta geral. A dieta cremosa tem as calorias necessárias e combinamos que ele poderia ter alta desde que seguisse essa dieta”, salientou Macedo.

Leia mais:  Marco Antonio Villa: Bolsonaro demoniza Congresso e despreza pilar democrático

Assembleia da ONU

A viagem para Nova York será a primeira aparição internacional de Bolsonaro desde a crise deflagrada pelas queimadas na Amazônia que causaram repúdio de outros países, sobretudo de França e Alemanha. A expectativa é que o presidente use o seu discurso para reafirmar a soberania do Brasil frente a países que o presidente e seus auxiliares enxergam como interessados na região. O discurso está sendo produzido, segundo o porta-voz, por vários auxiliares e o próprio presidente, do hospital, direcionou alguns pontos que Bolsonaro deseja abordar.

“O discurso está sendo promovido a várias mãos e o presidente tem sinalizado os tópicos frasais a serem abordados, mas o discurso só estará encerrado quando o presidente se debruçar sobre ele. Ele vem conversando daqui do hospital com as autoridades responsáveis pela confecção do discurso”, disse.

Leia também: “Prega um imbecil coletivo bolsonarista”, diz Janaina sobre Olavo de Carvalho

Além da viagem para Nova York, o presidente e sua comitiva, que incluirá o seu filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), também se reunirão, no Texas, com empresários ligados ao setor militar dos Estados Unidos.

Rêgo Barros não quis explicitar qual o objetivo específico da reunião, mas admitiu que o encontro pode servir para o início de um diálogo comercial entre os países. “O objetivo é o diálogo com esses empresários e também a possibilidade do Brasil de efetuar alguma atividade comercial”, afirmou o porta-voz oficial de Bolsonaro .

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Política Nacional

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana