conecte-se conosco


Carros e Motos

Ainda há como encontrar VW Golf GTE  novo à venda no Brasil

Publicado

source


Golf GTE arrow-options
Guilherme Menezes/iG

VW Golf GTE: versão híbrida logo vai acabar no Brasil, que espera a decisão da fabricante em trazer ou não a nova geração ao País

Lançado em novembro no Brasil, o VW Golf GTE ainda pode ser encontrado, pelo menos em São Paulo, segundo apurou a reportagem de iG Carros. Entramos em contato com uma concessionária da capital pauista que nos informou que ainda restavam muito poucas unidades à venda e que, por conta das mudanças ocasionadas pela pandemia, quem comprar o carro agora deverá recebê-lo em um prazo aproximado de 30 dias.

LEIA MAIS: Volkswagen confirma seis modelos híbridos ou elétricos no Brasil até 2023

Entretanto, o VW Golf GTE não está mais no configurador do site da Volkswagen. Apenas quem entrar na seção que mostra o carro em si tem como enviar uma proposta de compra, mediante sinal de R$ 5 mil. O carro tem preço sugerido de R$ 199.990 e é a única versão que sobrou do hatch médio no Brasil, onde ainda não existe previsão de chegada da nova geração já lançada na Europa .

Leia mais:  Divirtam-se, reconhecendo as motocicletas do cinema

O mais provável é que a Volkswagen decida trazer pelo menos a nova geração do Golf GTE, como modelo de nicho, uma vez que os hatches médios estão em extinção no Brasil. Conforme o relatório mais recente da Fenabrave (Federação dos Distribuidores de Veículos), o segmento representa apenas 0,3% das vendas no acumulado dos primeiros três meses de 2020.

No caso do VW Golf GTE da sétima geração, a marca diz que o carro tem 900 km de autonomia e pode acelerar de 0 a 100 km/h em 7,4 segundos. Ao rodar apenas no modo elétrico, a autonomia é de 50 km. Mas utilizando o motor a combustão alternadamente o carro pode chegar a rodar 900 km, com consumo de até 66 km/l pisando de leve no acelerador e usando a eletricidade na maior parte do tempo, de acordo com números da fabricante. Em média, o consumo fica nos 22 km/l. Entre os modelos médio no Brasil, o Golf GTE é rival do Toyota Corolla Hybrid .

LEIA MAIS: Como o VW Golf foi de objeto de desejo a segundo plano do catálogo?

Leia mais:  Avaliação: Toyota Hilux GR-S seduz pela dirigibilidade aprimorada

A questão da eletrificação tem se tornado, inclusive, uma questão de imagem para as fabricantes hoje em dia. Se não trouxer o novo Golf GTE, pelo menos o Passat GTE (também híbrido) deverá chegar ao Brasil. A chegada do sedã é dada como certa. Com a pandemia, os planos vão atrasar um pouco, mas o modelo deverá chegar reestilizado e com alto grau de sofisticação, como semi-autônomo.

Sem novo hatch médio híbrido (embora já tenha sido registrado no INPI), seria o fim da história do Golf no Brasil, onde o carro tem uma legião de fãs e cujo primeiro capítulo começou em meados dos anos 90, quando começou a ser importado nas versões GL 1.0, GLX 2.0 e GTI 2.0.

LEIA MAIS: VW Golf aparece em registro de patente no Brasil

Apenas em 1999 é que começou a produção nacional do VW Golf , em São José dos Pinhais (PR), até 2013. No ano seguinte, a sétima geração começou a ser trazida da Alemanha. Em 2016 voltou a ser feito no Brasil, mas apenas até outubro do ano passado. A última versão a sair da linha de montagem no Brasil foi a esportiva GTI.

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
publicidade

Carros e Motos

Novo Audi A3 Sedan é revelado com visual agressivo e tecnologias inéditas

Publicado

Audi A3
Divulgação

Novo Audi A3 Sedan: Novidade deve chegar ainda este ano para concorrer no segmento premium

O Audi A3 Sedan da segunda geração foi revelado. A novidade mantém a plataforma MQB usada pelo modelo antigo, incluindo os mesmos 2,64 metros de entre-eixos, mas recebeu diversas atualizações. Por fora, as principais mudanças estão na dianteira, com grade alargada e faróis que lembram os do novo Q3 e trazem.

LEIA MAIS: LEIA MAIS: Nova geração do Audi A3 é revelada com sistema híbrido leve e novo design

Na versão de topo, vem com LEDs com 15 tipos de atuação para otimizar a iluminação. O para-choque também é inédito. Está confirmado para o Brasil, só não há uma definição de quando será o lançamento, que viria para entrar no lugar do A3 Sedan nacional, que deixará de ser fabricado em 2021 . Na Europa, as vendas começam no meio do ano. 

O novo A3 Sedan ficou levemente maior, mas só por fora. O comprimento cresceu 4 cm, alcançando 4,50 m. Enquanto isso, largura e altura ficaram 2 cm e 1 cm maiores, respectivamente, chegando a 1,82 m de largura e 1,43 m de altura. As demais medidas não sofreram alterações. É o caso da distância entre-eixos (2,64 m) e do porta-malas (425 litros).

Leia mais:  Hyundai e Honda adiam novamente interrupção das atividades nas fábricas

As linhas do Audi A3 ganharam personalidade, e agora se aproximam de modelos maiores, como o A7. Enquanto a grade frontal está maior, o perfil se manteve bem demarcado, enquanto as lanternas traseiras agora são menos quadradas.

LEIA MAIS: Guiamos o Audi e-tron, uma síntese de vários carros em suas melhores formas

Mais novidades

Audi
Divulgação

A traseira fica mais moderna, tal como os novos conjuntos mecânicos

O interior do novo Audi A3 , por sua vez, chega completamente renovado, com duas saídas de ar-condicionado posicionadas mais acima, quase juntas do volante. O console central traz tomada de 12 volts e freio de estacionamento com acionamento elétrico, cujo botão fica bem próximo à manopla de câmbio. Ele também pode vir com painel digital e head-up display. A central multimídia, de 10,1 polegadas, também é maior que a antecessora.

LEIA MAIS: Audi Q3 retorna totalmente renovado para enfrentar os rivais

Futuramente, o Audi A3  (hatch e sedã) ganhará novas motorizações, além de tração nas quatro rodas. No mercado europeu, a novidade será vendida com três opções de motorização: 1.5 TFSI a gasolina (150 cv) e duas variações do 2.0 TDI, que entregam 116 cv e 150 cv.

Leia mais:  Veja as 5 melhores centrais multimídia em carros nacionais

Há dois tipos de transmissão: manual de cinco marchas e automático de sete velocidades. O modelo vem com suspensão traseira multilink apenas nas versões com 150 cv e pode ser encomendado com o sistema de amortecedores adaptativos.

Comentários Facebook
Continue lendo

Carros e Motos

Por causa da pandemia, FCA adia chegada de elétricos e híbridos ao Brasil

Publicado

source
Jeep Renegade
Divulgação

Renegade e Compass 4xe ficaram para 2021 no Brasil, onde serão vendidos como importados da Itália

O mundo nunca será o mesmo depois da pandemia do novo coronavírus e isso inclui o setor automotivo. Entre o que já está se sabe que está mudando estão alguns lançamentos, como os que a FCA previa para o Brasil neste ano. Além da nova geração da picape Fiat Strada, que ficou para julho, a fabricante terá de deixar apenas para 2021 a chegada do 500 elétrico e das versões híbridas da dupla Renegade e Compass.

LEIA MAIS: FCA confirma Renegade e Compass híbridos no Brasil; novo 500 será elétrico

No início de fevereiro, a reportagem de iG Carros esteve na coletiva de imprensa com o presidente da FCA na América Latina, Antônio Filosa, que havia confirmado que tanto o 500 elétrico quanto os dois híbridos da Jeep chegariam ao país ainda em 2020. Mas, agora os planos iniciais foram por água abaixo.

Os SUVs Renegade e Compass híbridos foram apresentados em janeiro na CES 2020, em Las Vegas (EUA) e chegarão ao Brasil no ano que vem, importados de Melfi (Itália) a um preço sem previsão, entre outros motivos, por causa da alta volatilidade das cotações do dólar e do euro. No caso do Jeep Compass 4xe, o principal rivai será o Toyota RAV4 .

Leia mais:  Avaliação: Honda Fit EX é o senhor da razão

Assim como o Compass híbrido, o Renegade 4Xe virá com o 1.3 turbo, de 180 cv e câmbio automático de seis marchas, que funciona em conjunto com motor elétrico, de 60 cv, somando uma potência combinada de 240 cv, o suficiente para acelerar de 0 a 100 km/h em 7 segundos, conforme a FCA.

Novo elétrico FCA

E a nova geração do Fiat 500 ficou mais sofisticada e luxuosa, fruto de um investimento de US$ 700 mihões na fábrica em Mirafiori (Itália). Quando chegar ao Brasil, o subcompacto será vendido apenas com motor elétrico e passará a concorrer com modelos como Chevrolet Bolt e Renault Zoe, cuja nova geração também deverá desembarcar no País em 2021.

LEIA MAIS: Projeção antecipa como deverá ficar a versão SUV do Argo

O novo Fiat 500 é equipado com um motor elétrico de 87 kW (118 cv). A marca divulga aceleração de 0 a 50 km/h em 3,1 segundos, e de 0 a 100 km/h em apenas 9 segundos, tempo realmente surpreendente, quando lembramos que não é um carro esportivo. A velocidade máxima é limitada eletronicamente em 150 km/h, com 320 km de autonomia.

Leia mais:  Avaliação: Toyota Hilux GR-S seduz pela dirigibilidade aprimorada

As baterias de íon-lítio do Fiat 500 elétrico têm capacidade de 42 kWh e foram projetadas para a recarga rápida nos postos de energia. Ele é capaz de recuperar 80% de sua carga total em apenas 35 minutos, ou garantir 50 km de autonomia com apenas 5 minutos na tomada.

LEIA MAIS: Nova Fiat Strada é mostrada por completo antes de chegar às lojas

É possível utilizar wallbox de 7,4 kW, com capacidade para completar a energia das baterias por completo em pouco mais de seis horas. Em uma tomada comum, o tempo necessário sobe para 14 horas, conforme a FCA .

Fonte: IG Carros
Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Política Nacional

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana