conecte-se conosco

Entretenimento

A influência de João Gilberto

Publicado

IstoÉ

A influência de João Gilberto arrow-options
Divulgação

A influência de João Gilberto

João Donato, cantor e compositor

Para Donato, João Gilberto é uma influência no mundo inteiro. “Quando cheguei nos EUA, nos anos 60, os americanos me perguntaram ‘o que ele está falando?’ Eles não entendiam o português do João, ficavam intrigados mas mesmo assim diziam: ‘a gente gosta tanto!’. Ele afirma que o que era mais atraente era a doçura de sua voz, sua sonoridade e maciez – a qual descreve como “acariciante” e “balsâmica”. “Como dizem naquela música ‘When you speak love’, fale baixinho quando estiver falando de amor, não precisa gritar. Todos cantavam com vozeirão, aí o João chegou com uma voz fraquinha, pequena, mas de propósito”.

Ele diz que a primeira letra de suas músicas foi escrita por João Gilberto  . Minha saudade  de 1958. Ele afirma que João escolheu viver sozinho nos últimos anos de vida, mas que isso não é um problema, que foi opção dele. “Ele escolheu esse caminho como o homem que vive no alto da montanha do Tibete, do Himalaia. Deve ser isso, ele preferiu essa vida de monge, de ermitão, de solidão.”

Sobre o fim com pendências financeiras, Donato afirma que João “não foi o primeiro nem será o último a não saber isso”. Ele se recorda de uma das extravagâncias de João, a quem se refere como “mão aberta”.

“Ele mandava coisas para mim que eu nem pedia, por táxi, dentro de uma caixa de sapato embrulhada. Coisas como dólares, cannabis, uma série objetos só porque achava que ele tinha que fazer isso.” Ele conta que esses presentes não vinham em situações especiais, que eram gentilezas.

Leia também: Jornais de todo o mundo destacam a influência de João Gilberto e da bossa nova

Rodrigo Faour, pesquisador e escritor

João Gilberto estilizou uma maneira diferente de passar o sentimento arrow-options
Divulgação

João Gilberto estilizou uma maneira diferente de passar o sentimento

“Ele estilizou uma maneira diferente de passar o sentimento, de dividir o ritmo e de dosar o canto.” Faour afirma que outros anteriores a João Gilberto faziam isso, como Dick Farney, Lucio Alves e Doris Monteiro, mas que João “deu o acabamento definitivo”.

Mesmo não sendo médico, Faour afirma que o perfeccionismo de João relembrava algo como um transtorno obsessivo-compulsivo, mas que isso não quer dizer que ele não fosse amável e afável. “Era um sujeito que vivia num mundo paralelo, não era autodestrutivo como os outros, tinha um problema psicológico diferente que foi se agravando com o tempo, talvez uma espécie de TOC com síndrome do pânico”.

Ele diz que o complexo de vira-lata do Brasil cresceu ao longo dos anos. “Nós nunca soubemos valorizar muito a nossa cultura, principalmente, os extremos: seus aspectos mais folclóricos e os mais sofisticados porque para isso é preciso ter um pouco mais de educação e cultura. E a bossa nova se encaixa nesse segundo nicho”. Para ele, apesar disso, a “semente da Bossa Nova” se pulverizou e está em outros gêneros da musica brasileira e da internacional.

Leia mais:  Sucesso dos anos 90, Suzana Alves retorna aos holofotes em “Topíssima” da Record

Leia também: Famosos e familiares se despedem de João Gilberto, o pai da bossa nova

Ruy Castro, escritor

Para Ruy Castro, os discos de João Gilberto são o que há de mais perfeito arrow-options
Divulgação

Para Ruy Castro, os discos de João Gilberto são o que há de mais perfeito

Para Ruy, os discos de João Gilberto são o que há de mais perfeito que um cantor poderia gravar. “Se os ouvíssemos com a atenção que eles merecem, todos nós que trabalhamos com música seríamos melhores pessoas.”

Para ele, apesar do que é dito por aí, é que João gerenciou perfeitamente sua carreira, mas que “só fez o que quis”. “Poderia ter gravado discos com Tom, Donato, Caymmi. Songbooks de compositores que admirava”.

Ele espera que tenha gravado algo nos últimos 20 anos de vida, e que alguém de sua confiança tenha gravado e eventualmente lance um disco com tais composições. “Mas será que é bom?”, perguntará alguém. E eu direi: “Tenho certeza. Pelo que sei, ele cantava para as paredes como se cantasse no Municipal” – prevê.

Quando perguntado porque o Brasil não conseguiu usar a Bossa Nova para se consolidar como atração turística – a exemplo do que é feito com o Jazz em Nova Orleans, por exemplo – Ruy é categórico: “Porque o Brasil, meu caro, nesse departamento, é uma merda.”

Toquinho, cantor e compositor

“A importância de João Gilberto transcende a própria Bossa Nova. Contemporâneo do futuro, conservava desde os primeiros discos o samba de raiz em seu repertório”, dizendo também que algumas de suas composições faziam o passado levitar – impulsionado pela voz suave e a batida transformadora.

“O universo musical mudou depois de João Gilberto. A bossa e o novo são ele. Ninguém esquece o exato momento em que ouviu pela primeira vez “Chega de saudade”.

Toquinho acredita que “o mundo passou a cantar o Brasil” após a Bossa Nova, e que o ritmo era inovador apesar da simplicidade e da pureza vocal do gênio. Para ele, João buscava a perfeição no perfeito. “Sua voz e sua batida perdurarão para sempre incentivando e aprimorando qualquer tendência musical. As futuras gerações aproveitarão sua genialidade.”

Okky de Souza, jornalista e crítico musical

A importância de João Gilberto na cultura musical brasileira, segundo Okky, está além da criação da Bossa Nova, enxergando sua influência em outros compositores também muito populares como Caetano Veloso, Gilberto Gil e Moraes Moreira.

Leia mais:  Carlinhos Maia filma mendigo em Nova York e é alvo de críticas: “Podre”

“Acredito que o Brasil soube aproveitar a Bossa Nova. João Gilberto e a Bossa Nova ficaram conhecidos no mundo todo. Até no Japão as pessoas sabem quem foi João Gilberto”.

Leia também: Lenda da bossa nova, João Gilberto morre aos 88 anos

Roberto Menescal, músico e produtor

Menescal conheceu João Gilberto nos anos 1950, quando ele apareceu na casa de seus pais – hoje a Galera Menescal, em Ipanema. Quando era dia de festa, João pedia para tocar violão. Em uma dessas ocasiões, ele emprestou seu violão a João, após seus pedidos, que achou o barulho do local insuportável. Saíram e voltaram apenas três dias depois. “A gente se reunia no apartamento da Nara Leão e cantava baixinho, buscando a tal batida do samba. João surgiu, reduziu o samba a batidas mínimas do tamborim, e fez-se o som. Eram todas batidas parecidas, mas ali estava a campeã!”

Essa música que eles chamavam de “samba moderno”, que depois evoluiu para a Bossa Nova. O termo surgiu em uma apresentação da turma deles que também era formada por Oscar Castro Neves, Luiz Eça, Luis Carlos Vinhas , Bebeto e Nara Leão. Em um show, no Clube Israelita de Laranjeiras, o organizador anunciou: “Hoje, show de Sylvia Telles e o grupo Bossa Nova”. Assim nasceu o termo.

“Ele tinha uma voz potente, mas fazia questão de cantar baixinho. Quando alguém reclamava, ele dizia: ‘Se você quer mais alto, está vendo aquele botão preto? Vai lá e aumenta o volume!’, afirmando que João sempre foi ligado na tecnologia, mesmo que fosse para suprir sua voz.

Tárik de Souza, crítico e historiador de música brasileira

Tárik traz uma visão bastante pessimista sobre o falecimento de João Gilberto, dizendo que sua morte é simbólica. “Perdemos para sempre a delicadeza da Bossa Nova, o País, hoje, está mais ogro”.

Para ele, a Bossa Nova sobreviveu enquanto João chamou a atenção para o ritmo, alterando a estrutura da música. “Foi o a pessoa com maior poder mental que já conheci. “O Brasil é o País da monocultura, seu público não entende o mercado sofisticado. Há um abismo entre o que foi construído e o que foi destruído depois.”

Paulo César Feital, compositor e dramaturgo

João Gilberto arrow-options
Divulgação

João Gilberto

“João Gilberto usou voz e violão para resgatar a memória de todas as matrizes da música popular brasileira, do samba ao choro, passando pelo clássico. Ele sozinho dirigia o Ministério da Música Brasileira”, afirma Feital.

Na sua visão, “o Brasil não conhece o Brasil”, e João Gilberto tentou ajudar nessa compreensão. Afirma que a qualidade de sua música se manteve durante toda a sua vida e que, apesar de ter se isolado, era um homem bom. “Ele cantava com paixão. O Brasil perdeu a paixão”.

Fonte: IG Gente
Comentários Facebook
publicidade

Entretenimento

Evaristo Costa mostra primeiro “encontro” com Waack na CNN Brasil

Publicado

Evaristo Costa usou seu Twitter na manhã desta quinta-feira (18) para compartilhar um vídeo com William Waack, horas antes dos dois jornalistas serem anunciados pela CNN Brasil. Nas imagens, o ex-apresentador do “Jornal Hoje” fez uma chamada de vídeo “surpresa” com o ex-âncora do “Jornal da Globo” e os dois descobrem que serão companheiros de emissora.

Leia também: Liberdade e aceno ao entretenimento: o que levou Evaristo Costa à CNN Brasil

Evaristo Costa e William Waack arrow-options
Reprodução/Twitter

Evaristo Costa e William Waack foram contratados pela CNN Brasil


“Qual seria sua reação se desse de cara comigo na net, sem saber? Horas antes da 
@cnnbrasil me anunciar como um dos contratados eu participei de uma videoconferência”, escreveu Evaristo Costa . Veja o vídeo?


“A reação seria nenhuma porque isso está difícil de acontecer. Você está fora da minha realidade”, brincou uma internauta. “Eu adoraria”, comentou outra usuária do Twitter.

Leia mais:  Príncipe William e príncipe Harry vão se enfrentar em polo após rumores de briga

Leia também: CNN liberou publicidade e ofereceu mordomias para ter Evaristo Costa

A CNN Brasil anunciou a contratação de William Waack e Evaristo Costa no início do mês passado. O ex-apresentador do “Jornal da Globo” comandará um telejornal diário, no horário nobre, e Evaristo terá um programa semanal, apresentado direto dos estúdios da emissora em Londres. 

Fonte: IG Gente
Comentários Facebook
Continue lendo

Entretenimento

Vida pós-Game of Thrones: veja fotos de novo filme de Emilia Clarke

Publicado

Emilia Clarke passou os últimos 10 anos envolvida com “Game of Thrones”, que lhe rendeu uma última  indicação ao Emmy nesta semana. Como uma das protagonistas, Daenerys Targaryen, a série era prioridade na sua carreira. Com o fim da série, porém, a atriz se prepara para o cinema e em novembro estreia seu primeiro filme após o final da produção da HBO.

Leia também: Criadores de “Game of Thrones” cancelam participação na Comic-Con de San Diego

Last Christmas arrow-options
Divulgação/EW/Universal

“Last Christmas”

Em “Last Christmas” Emilia Clarke é Kate, uma jovem que sempre toma as decisões erradas. Ela trabalha o ano inteiro em uma loja de itens de Natal, como uma elfa, o que a faz odiar o feriado. Mas é lá que ela conhece e se apaixona por Tom (Henry Golding).

O longa foi escrito pela atriz vencedora do Oscar Emma Thompson, junto com a roteirista  Bryony Kimmings e inspirada pela música Last Christmas , do Wham!, banda liderada por George Michael que chegou ao fim em 1986.

Paul Feig, diretor de “Missão Madrinhas de Casamento” e “As Caça-Fantasmas” assume a direção. Em entrevista para a Entertainment Weekly , que divulgou as primeiras imagens do filme , ele fala que o longa é uma carta de amor a Londres. O filme foi gravado poucas semanas antes do natal, justamente para absorver a atmosfera natalina da cidade.

Feig descreve o filme como uma comédia romântica dramática, e conta que Thompson, que também tem um papel no filme, começou a escrever a história quando George Michael ainda estava vivo, e contou com sua aprovação.

Leia também: Vingadores, Tarantino, Dumbo, muito terror e os filmes mais esperados de 2019

Last Christmas arrow-options
Divulgação/EW/Universal

“Last Christmas”

Além de Emilia Clarke e Henry Golding, o filme terá ainda Michelle Yeoh, que atuou ao lado de Golding em “Podres de Ricos”.

Fonte: IG Gente
Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Política MT

Policial

Mato Grosso

Política Nacional

Entretenimento

Esportes

Mais Lidas da Semana